Grande parte de prisioneiras vítimas de violência na África do Sul

Cidade do Cabo- África do Sul (PANA) -- Nove em 10 mulheres detidas na província sul-africana de Gauteng foram vítimas de violação sexual ou de violência conjugal, indica um estudo recente.
O estudo, efectuado junto de 569 prisioneiras em Gauteng, sublinha que elas estavam igualmente sete vezes mais expostas à violação antes dos 15 anos do que toda a população feminina.
"As mulheres representam apenas 2,2 por cento da população carcerária na África do Sul.
Das 240 cadeias do país apenas oito são exclusivamente reservadas às mulheres, ao passo que 72 outras são mistas", declarou uma das autoras do estudo, Sadiyya Haffejee.
Ela indicou que o número limitado de prisões para mulheres faz com que elas sejam presas em lugares às vezes muito afastados das suas famílias e dos seus amigos.
"Esta situação poderá ter efeitos devastadores na vida da família.
Pelo menos uma mulher em três, segundo estudo, não viram os seus filhos desde a sua detenção", deplorou Haffejee.
Haffejee sublinhou que o isolamento e o contacto limitado com a família e os filhos levaram várias mulheres a desejar a melhoria e o reforço dos serviços psicológiocs no meio carcerário.
O estudo, o primeiro do género, precisa que 78 por cento das mulheres interrogadas nunca apresentaram queixa contra os seus agressores.

05 Março 2006 09:00:00


xhtml CSS