Governo sudanês estuda resoluções da ONU sobre crise em Darfur

Cartum- Sudão (PANA) -- O ministro sudanês dos Negócios Estrangeiros, Mustafa Osman Ismail, disse que o governo está a realizar consultas internas e externas para lidar com as resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre a crise em Darfur (oeste do Sudão).
Mustafa Ismail disse terça-feira a jornalistas que importantes discussões estão a ser feitas através de comités especiais criados para estudar as resoluções.
O Conselho de Segurança da ONU aprovou sucessivamente três resoluções sobre o Sudão em finais de Março para pressionar visando a resolução da crise em Darfur.
Cartum criticou a resolução 1593 da ONU que exige o julgamento no Tribunal Penal Internacional de Haia dos suspeitos de crime de guerra em Darfur, alegando que aquele órgão judicial carece duma base de Justiça objectiva e viola a sua soberania.
"O governo (do Sudão) está a estudar a resolução 1591 que defende sancções para as pessoas que cometeram atrocidades em Darfur", declarou Ismail, que terminou um périplo por países asiáticos e africanos.
O ministro sudanês dos Negócios Estrangeiros disse que o governo aprovou a resolução, precisando que os mecanismos inerentes estão a ser utilizados para a sua implementação.
Entretanto, Cartum informou que vai participar em novas negociações de paz com os rebeldes de Darfur patrocinadas pela União Africana, previstas para o próximo mês em Abuja (capital política da Nigéria).
O ministro dos Assuntos Humanitários, Ibrahim Mahmud Hamid, anunciou a decisão do governo três dias depois de a Nigéria ter dito que as negociações de paz iriam retomar no início de Maio.
"O governo concordou em participar numa nova ronda de negociações com os movimentos armados de Darfur em Abuja na primeira semana de Maio depois do acordo destes grupos", disse Hamid a jornalistas.
O Movimento para a Libertação do Sudão, principal grupo rebelde, declarou no princípio desse mês estar preparado para retomar as negociações quando o governo estiver pronto.
A região árida e empobrecida de Darfur, no oeste do Sudão, vive uma guerra civil há mais de dois anos, depois de grupos negros africanos rebelarem-se contra uma suposta perseguição do governo de Cartum.
Estima-se que mais de 180 mil pessoas foram mortas e mais de um milhão deslocadas, maioritariamente pelas milícias apioadas pelo governo.
A União Africana patrocinou um cessar-fogo instável e enviou uma pequena força de observadores militares, mas tem encontrado dificuldades para alcançar uma solução política e três rondas de negociações em Abuja registaram poucos progressos.

27 Abril 2005 18:42:00




xhtml CSS