Governo sudanês aprova resultados de referendo no Sudão Sul

Cartum, Sudão (PANA) – O Governo sudanês aprovou oficialmente os resultados do referendo sobre a independência do Sudão Sul, durante o qual os Sulistas votaram amplamente pela autodeterminação.

Durante um reunião do Conselho de Ministros, o Presidente Omar el Bashir indicou segunda-feira que o Governo aprovou os resultados do referendo que representa a última cláusula do acordo de paz global assinado em 2005 que põe  termo ao conflito no Sudão,  oferecendo o direito aos Sulistas de escolher entre a dependência e a separação.

O Presidente Bashir declarou que o resultado deste referendo não vai marcar o fim das relações entre os povos do Sul e do Norte.

« Desejamos que seja uma separação entre um período de paz e de guerra e não uma separação entre dois povos socialmente ligados », disse o Presidente Bashir num discurso transmitido em direto pela televisão nacional.

Ele exprimiu a esperança de que será o início duma nova era de relações entre as duas partes, insistindo no facto de que vai prestar toda a assistência disponível ao futuro do Estado do Sul.

« Iremos mais longe que a aprovação destes resultados e desejamos ser os primeiros a felicitar os Sulistas pela criação do novo Estado. Vamos prestar-lhes a nossa assistência em todos os domínios que julgarem necessário », acrescentou o Presidente Bashir.

Disse ter esperança que o que aconteceu no Sudão não seja um precedente para os outros países africanos, mas antes « um modelo » de resolução dos problemas e uma maneira de coexistir após a guerra e os conflitos.

O primeiro Vice-Presidente da República e Presidente do Sudão Sul, Salva Kiir, participou no Conselho de Ministros que decorreu em Cartum.

« As fronteiras subsistem no papel, mas no terreno não penso que será possível restringir a circulação das pessoas e bens », declarou Kirr durante a reunião.

« Esta separação vai conduzir a uma unidade mais forte no futuro se cada povo  escolher voltar para o outro », acrescentou.

Afirmou que vai trabalhar com o Governo do Norte para vender não só a nova imagem do novo Sudão, mas igualmente para o levantamento das sanções impostas a este país, a retirada do Sudão da lista dos países que apoiam o terrorismo.

Kirr disse que vai ajudar a encontrar uma solução à questão de Darfur que, segundo ele, significará automaticamente o abandono das acusações do Tribunal Penal Internacional (TPI), que acusa altos responsáveis do Sudão, incluindo o Presidente Bashir, de genocídio em Darfur.

Indicou que era necessário para as duas partes trabalhar juntos para se assegurar de que as dívidas importantes acumuladas pelo Sudão sejam anuladas pelo Ocidente e pelos doadores.

« A ameaça do TPI vai afastar-se se conseguirmos resolver a questão de Darfur », disse o Vice-Presidente sudanês.

-0- PANA MO/VAO/AKA/AAS/SOC/MAR/TON 08fev2011

08 Fevereiro 2011 10:43:42




xhtml CSS