Governo moçambicano suspende 32 trabalhadores estrangeiros ilegais

Maputo, Moçambique (PANA) - O Governo moçambicano, através da Inspeção Geral do Trabalho (IGT), suspendeu 32 estrangeiros que exerciam a sua atividade laboral ilegalmente.

Os suspensos, de nacionalidades chinesa, indiana, sul-africana e tunisina, trabalhavam nas empresas instaladas nas províncias de Maputo, sul do país, Sofala (centro) e Nampula (norte).

Um comunicado do Ministério moçambicano do Trabalho, Emprego e Segurança Social (MITESS), chegao terça-feira à AIM, aponta que a província de Sofala aparece no topo com 16 estrangeiros ilegais que trabalhavam nas empresas Hanhua Shao Eastern Trading (EI), Rong Comercial, EI, Wenfang Madeira Import & Export, Lin Shen Import & Export, Lda e Sheng Xiong Madeira.

Na província de Maputo, a IGT suspendeu 13 trabalhadores das empresas Puma Energy Moçambique, STEMA e RH Consulting, enquanto três indianos suspensos em Nampula tinham o vínculo com a MGH Comercial e Dolphin Lodge.

“Nos termos da legislação laboral em vigor, para além da suspensão dos visados, as respetivas empresas contratantes serão sancionadas”, diz a nota.

A IGT garantiu que a suspensão tem efeitos imediatos.

Segundo a fonte, a decisão do Governo é o culminar de ações de fiscalização do grau de cumprimento da legalidade laboral, incluindo na componente de emprego a estrangeiros.

“A IGT voltou a exortar as empresas para não contratarem cidadãos estrangeiros para trabalharem em Moçambique fora dos princípios legalmente estabelecidos pela legislação vigente em Moçambique”, lê-se no comunicado.

-0- PANA IZ 31maio2016

31 Maio 2016 23:58:16


xhtml CSS