Governo cabo-verdiano lança plano de emergência contra seca

Praia, Cabo Verde (PANA) -  O Governo anunciou a tomada de medidas para acelerar a implementação do seu plano de emergência, avaliado em cerca de sete milhões de euros, para fazer face aos efeitos da seca que ameaça afetar 13 porcento da população do país.

Segundo o ministro cabo-verdiano da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva, o plano em causa já arrancou mas "vai ter que ser intensificado e naturalmente desenvolvido junto dos agricultores e criadores de gado".

O referido plano, que inicialmente devia abranger 17 mil e 200 famílias, respeita um cronograma e é necessário planear as ações, disse.

Gilberto Silva falava quinta-feira, na cidade da Praia, após a assinatura de um acordo com  instituições de microfinanças para executar uma linha de crédito no setor agropecuário.

Trata-se de uma linha de 50 milhões de escudos cabo-verdianos (453 mil euros) a ser executada no setor agropecuário, em condições favoráveis,  como uma das medidas para mitigar os efeitos da seca e do mau ano agrícola.

Cabo Verde registou este ano níveis muito baixos de chuva, o que comprometeu quase na totalidade a campanha agrícola no país.

Segundo governante, a seca que assola o arquipélago vai afetar, direta ou indiretamente, cerca de 70 mil pessoas, ou seja, 13 porcento da população.

Os efeitos da falta de chuva já se fazem sentir nos mercados onde certos  produtos começam a escassear e os que há estão a aumentar de preço, afetando também os criadores de gado, que já estão a vender os animais a baixo preço, para evitar ter muitos prejuízos.

Por outro lado, algumas zonas e localidades começam a enfrentar a escassez de água para o abastecimento da população, uma vez que,  este ano, não se registou o recarregamento dos lençóis freáticos, devido às fracas ou nulas precipitações.

Face à gavidade da situação, o Governo prometeu intensificar a aplicação das medidas seu do programa de emergência, e a todas as ilhas do arquipélago chegam apelos de
agricultores, criadores de gado, famílias afetadas, partidos políticos e organizações,  pedindo urgência na implementação dessas medidas no terreno.

O ministro Gilberto Silva recordou ainda que, esta semana, o Governo realizou um encontro com os presidentes de câmaras do país e que na próxima semana iniciará os contratos programas com os municípios, para início de obras para criação de emprego no campo.

O governante deu também conta de que, nos próximos dias, será lançado o concurso para aquisição de alimentos para animais, para serem postos à venda "em condições favoráveis".

Sublinhou também que há contactos em curso junto dos agricultores e criadores, no sentido da organização das feiras de gado e desparasitação de animais.

Gilberto Silva garantiu que as medidas não vão esperar a aprovação do Orçamento do Estado para 2018, lembrando, novamente, que se trata de um programa de emergência que já está a ser efetivado.

"O Orçamento de Estado para 2018 vai trazer também medidas", sustentou, indicando que haverá isenção de impostos, de taxas aduaneiras e de IVA sobre a importação e comercialização de alimentos e medicamentos para animais assim como material para rega gota-a-gota.

-0- PANA CS/IZ 10nov2017
  

10 Novembro 2017 11:10:22


xhtml CSS