Gabão carece de 90 milhões de FCFA para luta contra sarampo

Libreville- Gabão (PANA) -- O Ministério gabonês da Saúde Pública prometeu empenhar-se para o sucesso da campanha de vacinação contra o sarampo no país, de 19 a 25 este mês, apesar de o orçamento da operação registar um défice de quase 90 milhões de francos CFA (1 USD = 540 FCFA).
A ministra gabonesa da Saúde, Paulette Missambo, convidou os amigos do Gabão a darem prova de generosidade para responder à constatação da comunidade internacional de que o sarampo figura entre as primeiras causas da mortalidade e de morbidade das crianças menores de cinco anos de idade no mundo.
Actualmente, calcula-se que morrem anualmente em África 45 mil crianças vítimas desta doença.
Mas o orçamento elaborado para a próxima campanha de vacinação no Gabão apresenta um défice de 89,646 milhões de FCFA, estando disponíveis 422,122 milhões de FCFA, explicou Paulette Missambo.
Esta campanha necessita de um total de 511,768 milhões de FCFA para permitir uma vacinação eficaz que possa prevenir a propagação do vírus da doença, afirmam especialistas.
O sarampo provocou a morte de 629 crianças no Gabão, entre 2001 e 2002, e as autoridades sanitárias do país decidiram realizar a campanha de vacinação contra a doença de 19 a 25 de Novembro, em todo o país.
A Organização Mundial da Saúde (OMS) no Gabão fez saber que seria feita uma avaliação no fim da campanha de vacinação e que apoiaria, no próximo ano, uma operação semelhante.
A vacinação contra o sarampo visará crianças dos 9 meses aos 14 anos e idade a quem será também administrada a vitamina A, que participa no crescimento dos petizes.
Pequeno país com 1,2 milhão de habitantes, o Gabão não atingiu os seus objectivos de cobertura vacinal em 1990, que foi relativamente baixa quando comparada aos resultados alcançados nos anos 80, segundo a ministra da Saúde Pública.

01 Novembro 2004 09:51:00




xhtml CSS