Fundos árabes contribuem para financiamento da NEPAD

Sirtes- Líbia (PANA) -- Os fundos, as caixas e o sector privado do mundo árabe não pouparão esforços para contribuir para o financiamento da implementação da Nova Parceria para o Desenvolvimento de África (NEPAD), afirmou segunda-feira em Sirtes o secretário-geral da Liga dos Estados árabes, Amr Moussa.
A iniciativa do Presidente senegalês Abdoulay Wade e do seu homólogo egípcio Hosni Moubarak neste sentido recebeu o apoio da Liga Árabe, sublinhou Moussa, quando se dirigia aos chefes de Estado da União Africana na abertura da sua quinta cimeira ordinária iniciada segunda-feira em Sirtes.
Moussa acrescentou que os Estados africanos e árabes têm um destino comum e enfrentam os mesmos desafios que têm de ultrapassar graças à coordenação das suas posições e ao reforço das suas relações de cooperação.
O SG da Liga Árabe anunciou, por outro lado, que a sua instituição apoia a posição da UA em matéria de reforma das Nações Unidas, apelando para a adopção duma nova abordagem e duma visão inovadora susceptíveis de permitir aos árabes e aos africanos ultrapassar os obstáculos com que estão confrontados.
As duas entidades (mundo árabe e África) são imbricadas e indissociáveis, porque 70 por cento dos árabes encontram-se em África, tendo a consolidação da sua cooperação comprovado a sua pertinência e a sua eficiência, adiantou.
A título de exemplo, citou a contribuição da UA e da Liga Árabe para as iniciativas visando a resolução das crises no Sudão e na Somália.
"A Liga árabe continuará a ser igualmente o parceiro da UA na busca de uma solução definitiva em Darfur (oeste sudanês)", garantiu Moussa.
"Também apoiamos a UA para que possa atingir os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (OMD) até 2015, consolidar os Estados de direito e a democracia", ressaltou Moussa, estimando trata-se de objectivos comuns, cuja concretização exige a unificação dos esforços e uma coordenação efectiva entre as duas partes.
O secretário-geral da Liga Árabe lembrou, por outra lado, as acções levadas a cabo conjuntamente entre África e os países árabes com vista à lutar contra o terrorismo, assim como as medidas tomadas no sector cultural para atenuar todo aquilo que possa alterar a percepção e a imagem duma das partes em relação à outra.
"Só podemos resolver as crises através da nossa colaboração e da nossa solidariedade no quadro das relações fraternas", concluiu o SG da Liga Árabe.
A cimeira de Sirtes iniciou-se segunda-feira sob a presidência do chefe do Estado nigeriano, Olusegun Obasanjo, na presença do Secretário-Geral das Nações Unidas, Kofi Annan, do secretário-geral da Líga dos Estados Árabes, Amr Moussa, do presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Abbas, e do presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso.

04 Julho 2005 22:18:00




xhtml CSS