Francofonia deplora bloqueios no processo de paz na Côte d'Ivoire

Bucareste- Roménia (PANA) -- O Conselho Permanente da Francofonia (CPF) deplorou o bloqueio registado no processo de resolução da crise na Côte d'Ivoire, sobretudo nos domínios chaves do desarmamento dos combatentes e das milícias e da identificação dos eleitores.
Num projecto de declaração a que a PANA teve acesso quarta-feira m Bucareste (Roménia), o CPF lamentou igualmente o adiamento das eleições presidenciais e legislativas inicialmente previstas para antes 31 de Outubro próximo em conformidade com a resolução 1633 do Conselho de Segurança das Nações Unidas.
No encerramento da sua 61ª sessão, realizada à margem da 11ª cimeira dos chefes de Estado e de Governo da Organização Internacional da Francofonia (OIF), o CPF manifestou o seu acordo com as conclusões da décima reunião dos medianeiros do Grupo de Trabalho Internacional (GTI) decorrida a 10 de Setembro em Abidjan segundo as quais o objectivo dos ivoirienses e da comunidade internacional deve permanecer a organização de eleições democráticas baseadas em listas eleitorais renovadas e credíveis.
"Pedimos, por conseguinte, ao secretário-geral da OIF para continuar a envolver-se na busca duma solução duradoura e damos o nosso apoio total aos esforços da comunidade internacional para ajudar a Côte d'Ivoire a concluir a sua saída da crise", indica o projecto de declaração.
Todavia, o CPF sublinhou que alguns progressos foram alcançados na aplicação das medidas concertadas que deverão conduzir à resolução da crise na Côte d'Ivoire desde a nomeação em Dezembro último de Charles Konan Banny para o posto de primeiro-ministro.
O CPF notou igualmente a criação consensual duma Comissão Eleitoral Nacional e Independente (CENI), a realização regular dos Conselhos de Ministros com a participação de todos os membros do Governo ivoiriense, a reinstalação progressiva da administração em todo o território nacional e o envio de missão de paz ao país.
Evocando a situação na RD Congo, o CPF declarou-se satisfeito com a realização a 30 de Julho último das eleições legislativas e da primeira volta das presidenciais, convidando a classe política a respeitar o "profundo desejo" de paz e democracia dos congoleses conduzindo o processo eleitoral ao seu termo num clima de segurança e concórdia nacional.
No que diz respeito à Mauritânia, o CPF ressaltou a aplicação acelerada dos compromissos assumidos pelas autoridades do país e a reforma constitucional que estabelece o princípio e as modalidades da alternância democrática, tal como massivamente adoptada no referendo constitucional de 25 Junho.
O CPF denunciou igualmente as tentativas desestabilização do Tchad e congratulou-se com a estabilização progressiva da situação de segurança neste país, bem como com a melhoria das suas relações bilaterais com o Sudão.
Esta instância francófona abordou igualmente as situações no Togo, na República Centro-Africana, no Haiti, nas Comores, no Burundi e no Líbano.
O Conselho Permanente da Francofonia manifestou a sua solidariedade ao Líbano e apelou às diferentes partes implicadas no recente conflito do sul do Líbano para respeitar a resolução 1701 do Conselho de Segurança das Nações Unidas e colaborar com a Força Interina da ONU (FINUL).

28 Setembro 2006 11:35:00




xhtml CSS