FIFA intervem na crise da selecção queniana de Sub-17

Nairobi- Quénia (PANA) -- A FIFA, órgão reitor do futebol mundial, solicitou ao governo queniano a permitir que a Confederação Africana de Futebol (CAF) resolva a crise sobre a dissolução da equipa Sub-17 do país.
O Ministro dos Desportos, Najib Balala, dissolveu a selecção depois de ter descoberto que o Quénia alinhou com pelo menos dois atletas acima da idade legal nos jogos de qualificação ao Campeonato de Sub-17.
Balala escreveu à FIFA e à CAF pedindo desculpas pela fraude e solicitou a Confederação Africana a readmitir a Eritreia e o Ghana, que tinham sido eliminadas pelo Quénia nas qualificativas.
Posteriormente, o Ministro deu duas semanas à Federação Queniana de Futebol (KFF) para investigar o escândalo e enviá-lo um relatório sobre a questão.
Entretanto, o Presidente da FIFA, Joseph Blatter, apelou num comunicado ao Ministro a deixar o assunto com a KFF e a CAF, considerando que não seria do interesse do futebol penalizar a Federação sem uma investigação completa.
"Tomei nota da carta que me foi enviada a 17 de Fevereiro.
Permita-me, antes de tudo, reiterar o total engajamento da FIFA no combate a todo o tipo de comportamento anti-desportivo no desporto e no futebol em particular, tal como doping, enquadramento de jogadores com idade superior e acções violentas durante jogos", referiu Blatter no comunicado.
Aconselhou o Ministro a evitar qualquer medida que poderia prejudicar o desempenho da selecção queniana de seniores, que participa das preliminares ao Campeonato Africano das Nações (Tunísia 2004).
"É importante .
.
.
que o processo regular de investigação decorra segundo os padrões comuns e que nenhum julgamento apressado poderia ser invocado contra os órgãos reitores do desporto, como a FIFA e a CAF", adiantou.

26 Fevereiro 2003 12:42:00




xhtml CSS