FMI concede $ 11,83 milhões de ajuda financeira à República Centro Africana

Nova Iorque, Estados Unidos (PANA) - O Fundo Monetário Internacional (FMI) concedeu ao Governo da República Centro Africana (RCA) 11 milhões e 839 mil dólares americanos (seis biliões e 200 mil francos CFA) sob forma de assistência financeira no quadro da Facilidade de Crédito Rápido da instituição financeira (FCR).

Este montante eleva a ajuda financeira de emergência total do FMI a favor da RCA desde 2014  para 222 milhões e 280 mil direitos especiais de saque, ou seja 40 porcento das quotas, cerca de 31 biliões e 490 mil dólares americanos ou 16 biliões e 710 mil francos CFA, indica um comunicado do FMI.

Segundo o comunicado, contribuições suplementares dos parceiros de desenvolvimento, subordinadas à ajuda do FMI, vão elevar a ajuda orçamental externa total à RCA para 56 biliões e 200 mil francos CFA, que permitirão colmatar o défice financeiro para 2015.

Esta ajuda financeira segue-se à missão efetuada pelo FMI de 9 a 18 de junho corrente na RCA e liderada por Abdelrahum Bessaha, que afirmou que a crise política e de segurança  prolongada no país e a falência da atividade económica resultante desta situação constituem problemas maiores para o Governo de transição.

« Em 2015, enquanto a atividade económica retoma progressivamente, a situação de segurança precária levou a missão e as autoridades centro-africanas a rever as previsões de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) real para 5,5 porcento, refletindo principalmente um relançamento mais lento do que previsto das atividades do setores florestal e mineiro”, indicou Bessaha.

« Fruto do aumento do abastecimento alimentar e da melhoria das redes de distribuição, a inflação média diminuiu e deverá registar uma queda de 5,7 porcento, mas ainda superior ao critério de convergência da Comunidade Económica e Monetária da África Central (CEMAC) que é de três porcento” , acrescentou.

O défice da conta corrente externa deverá aumentar 11,8 porcento do PIB devido ao  acréscimo das importações ligadas aos investimentos », segundo o chefe da missão do FMI.

Ele indicou que a prioridade orçamental devia aumentar as receitas internas e melhorar a qualidade das despesas com vista a limitar o défice primário interno em 3,7 porcento do PIB  em 2015.

A missão do FMI  encontrou-se com a Presidente de transição na RCA, Catherine Samba-Panza, o primeiro-ministro, Mahamat Kamoun, e o ministro das Finanças e Orçamento, Abdalla Kadre-Assane.

-0- PANA AA/SEG/ASA/JSG/FK/TON  23junho2015

23 Junho 2015 17:49:05




xhtml CSS