FAO defende sementes de qualidade na África Ocidental

Dakar, Senegal (PANA) – O representante da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) no Senegal, José Luís Fernandez, defendeu quarta-feira em Dakar o desenvolvimento de mecanismos visando garantir a segurança alimentar nos países da sub-região pela instalação dos fatores que concorrem para uma melhoria dos rendimentos das culturas.

Fernandez intervinha na abertura de um seminário sobre o balanço do projeto sobre a melhoria da produção de arroz na África Ocidental em resposta à subida dos preços dos produtos alimentares.

Ele lembrou que o projeto Melhoria da Produção de Arroz na África Ocidental (APRAO) foi executado no Mali, na Mauritânia, no Níger, no Senegal e na Côte d’Ivoire com vista a aumentar a produtividade do arroz através da promoção de sementes de qualidade e da execução de um sistema de intensificação sustentável e das medidas de acompanhamento das atividades pós-colheita.

Saudou os esforços do Senegal, traduzidos por medidas políticas corajosas conducentes à redução da insegurança alimentar no país, renovando ao mesmo tempo o compromisso da FAO de apoiar estes esforços.

Segundo ele, os esforços conjugados dos parceiros e dos beneficiários permitiram obter resultados muito encorajadores, mas também produzir técnicas e desenvolver mecanismos  sustentáveis.

Notou que, durante estes dois anos de execução do projeto, a formação sobre a produção de sementes certificadas e a informação sobre a legislação de sementes permitiram reforçar 300 atores sementeiros.

Para o representante da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Mamadou Seck, a independência e a segurança alimentares passam pelo desenvolvimento da agricultura.

Assim, foi reconhecido que, para além dos esforços individuais envidados pelos países no plano nacional para estimular a sua agricultura, é  preciso envolver-se com maior determinação na aplicação da política agrícola comum da CEDEAO.

Seck sublinhou que os países, pela sua proximidade geográfica e pela diversidade dos seus recursos, deverão tirar proveito desta política agrícola baseada numa abordagem holística.

Segundo ele, a diversidade dos ecossistemas da África Ocidental constitui efetivamente uma vantagem de produção duma  gama variada de produtos e estabelece importantes complementaridades entre os países e as bacias de produção.

« O setor agrícola constitui um suporte importante da integração regional das economias agrícolas », afirmou.

Ele indicou, por outro lado, que a diversidade dos ecossistemas oferecia possibilidades de intercâmbios de produtos baseados em complementaridades agroecológicas, premissas de uma integração do mercado da região.

-0- PANA DOU/JSG/FK/IZ 20junho2013

20 Junho 2013 11:48:39


xhtml CSS