FAO adverte de crise nutricional e alimentar no Sudão

Roma, Itália (PANA) – Os agricultores e os pastores do Sudão precisam de ajuda de emergência para impedir a deterioração da situação de insegurança alimentar, advertiu esta quinta-feira a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO).

Cerca de três milhões 300 mil indivíduos estão em situação de insegurança alimentar, mas as cifras deverão aumentar para quatro milhões durante os próximos meses, tendo em conta a intensificação dos conflitos e dos deslocamentos de populações em Darfur, os movimentos de refugiados a partir do Sudão do Sul, as más colheitas e a subida dos preços alimentares.

Em várias zonas do Sudão, a insegurança alimentar deverá atingir níveis extremamente críticos durante as próximas semanas, provocando desnutrição ainda mais aguda com consequências devastadoras para os grupos vulneráveis.

« O Sudão é uma crise esquecida que continua a piorar », declarou o representante da FAO no país, Abdi Adan Jama.

« Nós devemos velar sem delongas por que os pastores e os cultivadores vulneráveis estejam em condições de reconstruir os seus meios de existência,  alimentar as suas famílias, reduzir a sua dependência de ajuda alimentar e reconstruir as suas vidas », indicou o responsável onusino.

Por enquanto, os organismos das Nações Unidas e os parceiros receberam apenas 3,5 porcento dos 995 milhões de dólares americanos solicitados para lançar as intervenções humanitárias de emergência previstas no Plano de Resposta Estratégica para o Sudão de 2014, observa a FAO.

-0- PANA SEG/NFB/JSG/FK/TON  10abril2014

10 Abril 2014 20:10:10


xhtml CSS