Etiópia chamada a libertar jornalistas detidos

Dakar, Senegal (PANA) – A Federação dos Jornalistas Africanos (FAJ) apelou quarta-feira ao Governo etíope para libertar todos os jornalistas detidos e reunir as condições para que dezenas de jornalistas exilados regressem à pátria e “trabalhem para o desenvolvimento do seu país".

"Estamos muito preocupados com as informações persistentes de violações da liberdade de imprensa na Etiópia e o número de jornalistas em prisão e no exílio", declarou o presidente da FAJ, Mohamed Garba, num comunicado transmitido  à PANA em Dakar.

Garba convidou, por isso, o Governo etíope a comprometer-se com a imprensa num "diálogo autêntico e na autorregulacao".

Entretanto, a FAJ  revelou que o ministro etíope da Comunicação, Redwan Hussein, recebeu recentemente uma delegação de três pessoas dos seus representantes.

Esta delegação integrou o presidente da Associação dos Jornalistas da África Oriental (EAJA), Muheldin Titawi; o secretário-geral da EAJA,  Alexandre Niyungeko; e o diretor da Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ) para África, Gabriel Baglo.

Segundo o comunicado, o governante etíope exprimiu o compromisso da Etiópia de garantir a liberdade de expressão no seu país. Ele prometeu igualmente  submeter  a questão da segurança dos jornalistas à agenda da próxima cimeira dos chefes de Estado da União Africana (UA).

Com a recente decisão de justiça de encerrar seis publicações e que causou o exílio de 14 jornalistas,  Hussein declarou que os jornalistas não tinham justificação para fugir, pois eles não foram acusados.

Ele reiterou o compromisso do Governo etíope de respeitar « a diversidade de pensamentos enquanto a ética do jornalismo for exercida.

Hussein sublinhou que a democracia da Etiópia está baseada na aceitação e no reconhecimento das diferenças étnicas, religiosas e ideológicas e isto se manifesta na Constituição do país que todo o mundo deve respeitar.

Por sua vez, a delegação lembrou ao responsável etíope que, na região da África Oriental, a Etiópia e a Eritreia possuem mais jornalistas em prisão e no exílio e que isto é uma má imagem para o país que alberga a sede da União Africana.

Além disso,  a delegação exprimiu o compromisso das organizações de jornalistas africanos de trabalhar com o Governo etíope e os jornalistas para a criação e o apoio para a imprensa de ética através da autorregulacao.

« Estamos aqui para apoiar o jornalismo africano com os valores africanos, estamos prontos para dar qualquer apoio  aos jornalistas etíopes  à luz dos valores partilhados africanos e dos intrumentos da União Africana tais como a declaração de princípios sobre a liberdade de expressão em África e a carta  africana sobre a democracia, eleições e governação », garantiu a delegação.

-0- PANA MLJ/AR/MTA/BEH/FK/IZ 24set2014

25 Setembro 2014 08:23:18




xhtml CSS