Estados Unidos doam $ 2 milhões para vítimas etíopes da seca

Addis Abeba- Etiópia (PANA) -- Os Estados Unidos ofereceram dois milhões de dólares americanos adicionais para financiar o seu actual programa de assistência às vítimas da seca nas regiões do sul da Somália e da Etiópia, anunciou quarta-feira fonte diplomática em Addis Abeba.
Segundo a Embaixada dos Estados Unidos na Etiópia, o programa de assistência às vítimas da seca está a ser levado a cabo através da Agência americana para o Desenvolvimento Internacional (USAID).
"Visitei as areas afectadas pela seca e sei que chegou o momento de responder às necessidades que criou.
Estou satisfeito por os EUA serem capazes de responder rápida e eficientemente com estes fundos adicionais", disse à imprensa o encarregado de Negócios da Embaixada americana, Vicki Huddleston.
Os Estados Unidos já desenvolvem um programa de assistência humanitária designado "Iniciativa Pastoral de Subsistência" avaliado em 29 milhões e 200 mil dólares americanos e que incide na distribuição de alimentos, intervenções nutritivas e vacinas contra o sarampo bem como na protecção de gado.
O novo financiamento adicional vai permitir uma intervenção imediata da USAID nas áreas afectadas pela actual seca regional, combinando todos os recursos disponíveis para aumentar a água, a saúde e a assistência alimentar.
A última seca no Corno de África impôs uma necessidade urgente de salvar as vidas ameaçadas, estimando-se actualmente em mais de um milhão e 500 mil pessoas o número de pessoas que vivem nas áreas pastorais e agro-pastorais afectadas na Etiópia.
As populações das regiões do sul somalí e de Oromiya, sul da Etiópia, foram seriamente afectadas pela falta de chuvas em Outubro e Dezembro últimos.
As previsões meteorológicas a longo prazo indicam que se espera igualmente precipitações muito fracas entre Março e Abril próximos.
As necessidades imediatas incluem o abastecimento de água às comunidades afectadas, as avaliações nutricionais e a assistência às crianças mais afectadas, a ajuda alimentar e os programas sanitários contra doenças como o sarampo, que foi a principal causa de morte durante as secas anteriores, explica a nota da Embaixada americana.
As comunidades pastorais foram seriamente tingidas pela perda de mercados tradicionais de gado, estando em curso intervenções para garantir a subsistência pastoral a curto e longo prazos.
A seca actual afecta as populações de toda a região e aumenta as potencialidades de conflito enquanto os pastores estão a abandonar as áreas tradicionais de migração.

01 Fevereiro 2006 21:04:00


xhtml CSS