Especialista da UNICEF inteirar-se da evolução do Zika em Cabo Verde

Praia, Cabo Verde (PANA) - O conselheiro global do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) para a preparação e resposta à epidemia do Zika, Koenraad Vanormelingen, encontra-se em Cabo Verde para se inteirar da evolução dessa doença que afeta o país desde de outubro de 2015, apurou a PANA, terça-feira, na cidade da Praia, de fonte segura.  

Esta deslocação de Koenraad  Vanormelingen, realiza-se no âmbito de um périplo  aos países da região da África Ocidental, na perspetiva da preparação e resposta do Governo de Cabo Verde à situação da epidemia do Zika, com a assistência da Organização das Nações Unidas (ONU), em geral, e do UNICEF, em particular.

No âmbito das suas atribuições, este especialista do UNICEF vai conhecer de perto as iniciativas tomadas em matéria de resposta à epidemia do Zika em Cabo Verde, bem como disponibilizar informações sobre outras experiências realizadas em países afetados na região.

Segundo fonte do Sistema das Nações Unidas na capital cabo-verdiana, a visita vai dar-lhe também a oportunidade de discutir com as autoridades e equipas nacionais sobre o reforço da cooperação da ONU e do UNICEF, no contexto da resposta global à epidemia do Zika.

Neste contexto, o UNICEF em Cabo Verde organiza esta quarta-feira um encontro com jornalistas, durante o qual Koenraad Vanormelingen dará informações globais sobre o impacto do Zika nas crianças e suas respectivas famílias.

Também informará sobre a estratégia de resposta da sua agência às questões relacionadas à proteção dos direitos das crianças, também tida em conta na resposta global.

De acordo com dados do Ministério da Saúde cabo-verdiano, divulgados em junho último, Cabo Verde tinha registado, até à data, 11 casos de microcefalia associados ao vírus Zika, sendo que um dos bebés diagnosticados com a doença nasceu morto.

Os dados avançados pela médica epidemiologista Maria de Lurdes Monteiro, do Serviço de Vigilância Integrada e Respostas a Epidemias (SVIRE), durante uma reflexão e diálogo sobre o impacto do Zika nas mulheres, realizada pela ONU Mulheres em Cabo Verde, indicavam que nove dos casos haviam sido registados na cidade da Praia e dois na ilha do Maio, onde se assinalou o nado morto.

A médica avançou que as autoridades estão a acompanhar cerca de 240 mulheres grávidas.

O primeiro caso de microcefalia associada ao vírus Zika em Cabo Verde foi detetado em março último, seis meses após a doença ter sido declarada como epidemia.

Do total dos sete mil e 500 casos suspeitos acumulados e que registaram um declínio a partir de janeiro último, Maria de Lurdes Monteiro referiu que 65 porcento foram notificados em mulheres ao passo que o resto em homens.

-0- PANA CS/DD 27julho2016


27 Julho 2016 13:45:21


xhtml CSS