Escritor angolano lança biografia de Amílcar Cabral

Praia- Cabo Verde (PANA) -- O escritor e jornalista angolano António Tomás lança esta quinta-feira na Praia o seu livro intitulado «O Fazedor de Utopias - Uma Biografia de Amílcar Cabral», a primeira obra literária do género sobre o líder nacionalista da Guiné-Bissau e de Cabo Verde, soube a PANA na capital cabo-verdiana de fonte segura.
António Tomás, doutorando em Antropologia pela Universidade de Columbia (Estados Unidos), disse que o livro levou mais de cinco anos a ser escrito, com base em pesquisas em arquivos de Portugal, França, Estados Unidos, Guiné-Bissau e Cabo Verde.
Para escrever a obra, António Tomás, que trabalhou no jornal «Público» e em várias publicações em Angola, entrevistou também vários companheiros, parentes ou contemporâneos de Amílcar Cabral.
O autor, que define o livro como “produto do seu tempo e espaço”, aponta a sua procura de identidade, como Angolano, Africano e ex- colonizado, residente na altura em Portugal, como a principal motivação que presidiu à redacção da obra.
“A minha busca nada tinha de original e muitas das perguntas que a mim próprio coloquei foram as mesmas que animaram debates, tomadas de posição e de consciência, rupturas, de outras gerações de jovens africanos, a residir igualmente em Portugal", sublinhou.
Citou entre esta geração de jovens os nomes de Amílcar Cabral, dos escritores e políticos angolanos Agostinho Neto e Mário Pinto de Andrade, da escritora são-tomense Alda do Espírito Santo, da poeta moçambicana Noémia de Sousa e muitos outros”, esclareceo autor, na nota introdutória do livro.
Na “angustiante busca sobre quem eram, se Portugueses ou Africanos, estes jovens encontraram respostas radicais que os conduziram aos nacionalismos e à criação de novas identidades, como a Angolana, a Moçambicana, a Guineense, a Cabo-verdiana e a São-tomense", sustentou.
António Tomas afirmou que Amílcar Cabral, mais do que qualquer outra pessoa dessa geração, acreditou num futuro melhor do que aquele que o colonialismo oferecia aos Africanos, em particular aos Cabo-verdianos e aos Guineenses, tendo fundando o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e iniciado a luta contra o colonialismo na Guiné-Bissau.
“Em nome desse futuro, (Amílcar Cabral) ofereceu os melhores anos da sua vida e por ele morreu.
Hoje, desaparecidas as utopias que animaram a luta por tais futuros, que lugar tem Amílcar Cabral?”, interroga-se o escritor e jornalista.
A obra é editada pela editora local “Spleen Edições”, que detém os direitos de publicação, o que acontece pela primeira vez com uma editora cabo-verdiana.
«O Fazedor de Utopias - Uma Biografia de Amílcar Cabral» foi escrito no âmbito do programa «Criar a Lusofonia», do Instituto Nacional de Cultura e de Portugal e já foi lançado em Novembro passado naquele país pela editora Tinta-da-China.
O livro tem sido alvo de um amplo interesse tanto do público como da crítica.

24 Janeiro 2008 11:02:00


xhtml CSS