Escândalo de racismo abala râguebi sul-africano

Cidade do Cabo- África do Sul (PANA) -- Com apenas cerca de um mês para o Campeonato do Mundo da Austrália, a equipa sul-africana de râguebi foi abalada por um grande escândalo de racismo, depois do jogador Geo Cronje ter sido expulso da selecção por se recusar a partilhar um quarto com um jogador negro, Quinton Davids.
Davids, que milita num clube da Cidade do Cabo, é uma das estrelas da selecção e deverá jogar um papel chave na campanha do "Springbok" (designação da equipa sul-africana).
Segundo relatos publicados quinta-feira pela imprensa, Cronje foi ordenado pelo treinador Rudolf Straueli a partilhar um quarto de hotel com Davids num campo de estágio em Pretória.
Cronje terá recusado, dizendo que não iria usar o mesmo quarto de banho, sanita ou chuveiro com Davids.
O director-geral da Federação Sul-Africana de Râguebi, Rian Oberholzer, exigiu que Cronje fosse expulso da equipa com efeito imediato.
"Temos tolerância zero para o racismo no râguebi e agimos fortemente sobre esta questão.
Vamos retirar o atleta do estágio", disse Oberholzer.
"As alegações serão investigadas para se apurar se devemos levar o caso a justiça e, se necessário, o jogador terá direito a aconselhamento", acrescentou.
Ao saudar a decisão, o ministro dos Desportos, Ngconde Balfour, disse que "uma ou duas alegações de racismo não deveriam manchar a equipa inteira", adiantando que "nas vésperas do anúncio da selecção para o Campeonato do Mundo, apelamos a todos os sul- africanos a apoiarem a equipa para que represente todas as camadas da África do Sul".
Esta não é a primeira vez que a selecção sul-africana de râguebi é abalada por um escândalo de racismo.
Em 1997, o técnico Andre Markraaff foi demitido por ter feito comentários racistas.

28 august 2003 17:36:00




xhtml CSS