Empresas pernambucanas querem utilizar Cabo Verde para atingir novos mercados

Praia, Cabo Verde (PANA) - Um grupo de empresários do Estado brasileiro de pernanbuco manifestou, na cidade da Praia, interesse em investir em Cabo Verde para potenciarem o acesso preferencial de que o arquipélago beneficia a alguns mercados, nomeadamente da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), da Europa e dos Estados Unidos, informou à PANA fonte segura.

A delegação empresarial pernambucana encontra-se em Cabo Verde no âmbito do voo inaugural entre Recife e a cidade da Praia promovido pela Transportadora Aérea Cabo-verdiana (TACV) e pretende identificar e avaliar as potencialidades a nível de investimentos no domínio do turismo, saúde e indústria têxtil.

No final de um encontro, promovido pela Cabo Verde Investimentos (CI), os empresários pernambucanos consideram que Cabo Verde é um país com muitas potencialidades para bons investimentos e negócios e estabelecimentos de parcerias para o desenvolvimento conjunto de vários projetos, nomeadamente a nível do turismo, designadamente o médico hospitalar e de bem-estar, lazer e negócios.

“Nesses cinco dias de visita temos tido uma aproximação muito grande com o setor turístico e com o setor hospitalar. O intuito é trabalhar de forma mais estruturada para que os empresários pernambucanos possam investir em Cabo Verde”, sublinhou a diretora comercial da Pernambuco Tourism Board, Sylvia Sarubbi Costa.

Em declarações à imprensa, o presidente da CI, instituição cabo-verdiana responsável pela atração do investimento externo, disse que ele espera, que, num curto espaço de tempo, as empresas pernambucanas venham investir em Cabo Verde nas áreas já identificadas.

Segundo José Duarte, os empresários pernambucanos estão muito interessados em investir numa plataforma de serviços em Cabo Verde, abrangendo vários domínios,
nomeadamente nas confeções e nos calçados.

O presidente da CI destacou, a propósito, as vantagens que Cabo Verde oferece, nomeadamente os incentivos fiscais e não fiscais que permitem aos empresários trazerem os produtos e transformá-los no arquipélago com o valor acrescentado de mínimo de 30 porcento.

José Duarte explicou que, com o valor acrescentado em Cabo Verde, os empresários pernambucanos podem exportar os produtos fabricados no arquipélago para os mercados onde o arquipélago têm acessos preferenciais, sobretudo a nível da CEDEAO.

“As perspetivas são amplas e boas. Vamos agora trabalhar para fazer algo em conjunto para a concretização de negócios e investimentos”, destacou o responsável da CI.

Com a inguaração do voo para o Recife, o seu segundo destino no Brasil, depois de Fortaleza, a TACV procura atrair passageiros de capitais de outras cidades brasileiras como Aracaju (Sergipe), João Pessoa (Paraíba), Mació (Alagoas) e Natal (Rio Grande do Norte) e que também poderão utilizar o arquipélago para seguir para outros destinos em África e na Europa.

-0- PANA CS/TON 11junho2015


11 Junho 2015 18:35:52




xhtml CSS