Empresário burkinabe ameaçado de 20 anos de prisão nos Estados Unidos

Ouagadougou, Burkinaso (PANA) – Um cidadão do Burkina Faso identificado como Malamine Ouédraogo foi indiciado nos Estados Unidos por desvio de mais de 12 milhões de dólares americanos destinados a lutar contra o paludismo no seu país, por fornecer mosquiteiros defeituosos baratos, segundo fonte judicial.

Malamine Ouaédraogo, de 33 anos, é o diretor-geral da Liz-Telecom-Azimmo, uma  empresa pertencente à empresária burkinabe Alizèta Ouédraogo "Gando",  sogra de François Compaoré, irmão  mais novo do ex-Presidente Blaise Compaoré.

Ele incorre numa pena de 20 anos de prisão se for detido e condenado por burla, segundo  o gabinete do procurador de Nova Iorque, Preet Bharara.

O paludismo representa a  primeira causa de mortalidade neste país da África Ocidental, onde provoca quase dois milhões de hospitalizações por ano, dos quais 63,5 porcento de crianças menores de cinco anos.

A mortalidade ligada ao paludismo passou de nove mil e 24 mortes em 2010 para cinco mil 386 mortes em 2014, ou seja, uma diminuição de 40 porcento em quatro anos, sublinha um relatório dos atores da luta contra a doença publicado em abril de 2015.

-0- PANA NDT/IS/SOC/FK/IZ 1nov2015

01 Novembro 2015 13:27:23


xhtml CSS