Empresária Isabel dos Santos desmente sua notificação pela PGR

Luanda, Angola (PANA) - A empresária angolana Isabel dos Santos negou ter sido notificada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) de Angola, para prestar esclarecimentos sobre a sua gestão, enquanto antiga presidente do Conselho de Administração da petrolífera Sonangol.

Num comunicado, Isabel dos Santos, filha primogénita do antigo Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, declara que foi com "surpresa" que soube das informações veiculadas, segunda-feira, pela imprensa dando conta da sua recusa de responder à notificação.

A nota adianta que Isabel dos Santos "não recebeu" qualquer notificação da PGR pelo que "foi com surpresa" que ela tomou conhecimento através da imprensa que teria sido notificada para responder sobre atos da sua gestão na Sonangol, a principal empresa pública de Angola.

Na sua nota, Isabel dos Santos considera "falsa" a afirmação de que ela teria realizado transferências bancárias de 38 milhões de dólares após a cessação das suas funções como presidente do Conselho de Administração da Sonangol (Sociedade Nacional de Combustíveis).

A imprensa angolana noticiou segunda-feira que a PGR notificou Isabel dos Santos, a 17 de julho passado, para prestar declarações no âmbito do inquérito em curso sobre a sua gestão à frente da Sonangol, mas que a empresária não compareceu nem justificou a falta.

Isabel dos Santos foi exonerada da direção da Sonangol pelo novo Presidente angolano, João Lourenço, a 15 de novembro de 2017, um cargo que ocupava desde junho de 2016 por decisão do então chefe de Estado angolano e seu pai José Eduardo dos Santos.

No seu lugar, o Presidente João Lourenço nomeou Carlos Saturnino, que foi presidente da Comissão Executiva da Sonangol Pesquisa

01 أغسطس 2018 14:48:20


xhtml CSS