Empresa americana avalia possibilidades de exploração de energia eólica na Tanzânia

Dar-es-Salaam, Tanzânia (PANA) - Second Wind, uma sociedade americana especializada nos sistemas de medida do vento que rentabiliza a energia eólica, ajuda estudantes engenheiros de Darmouth College a determinarem se os ventos da região de Kigoma, no oeste da Tanzânia, podem acionar uma turbina a fim de produzir energia elétrica.

Second Wind ofereceu um gravador de dados eólicos Nomad 2 ao Projeto de Engenharia Civil Humanitária de Darmouth (DHE) para o ajudar a determinar se os ventos podem contribuir para o desenvolvimento duradouro desta região que não dispõe de nenhuma fonte fiável de abastecimento de energia.

O gravador de dados Nomad 2 recolha dados de todos os detetores das principais indústrias  comunicando-os aos utentes através duma larga gama de opções de comunicação de distância, como o Serviço SkyServe Wind Data.

"Esta turbina vai fornecer eletricidade para tarefas  como a bombagem de água, a recarga de telemóveis e de baterias para os habitantes da região de Kigoma, à beira do Lago Tanganyika e formada principalmente por pequenas aldeias que não estão ligadas a redes elétricas", anunciou a sociedade nesta sexta-feira.

Ela sublinhou que o DHE vai utilizar as competências locais e alguns dados eólicos disponíveis para escolher o lugar duma eventual turbina.

"O Oeste da Tanzânia não dispõe de grande coisa em termos de dados eólicos registados e o terreno é variável na região", disse Molly Wilson, uma dos estudantes voluntários.

"Medimos a velocidade bem como a direção dos ventos e estamos curiosos  no que diz respeito às variações das estações pois os dados de algumas zonas indicam correlações de estação fortes coincidindo com a estação seca e a estação das chuvas", acrescentou Wilson.

Os Estudantes do DHE vão recolher os dados e usá-los para decidir se é preciso manter a construção duma turbina com vento. No quadro deste programa, os alunos engenheiros concebem soluções teconológicas apropriadas no âmbito dos seus trabalhos dirigidos. Os estudantes voluntários aplicam estas soluções no terreno, de acordo com a mesma fonte.

"O vento é de longe a fonte energética mais prática para uma região que tenta tornar-se mais auto-suficiente ao reduzir ao mesmo tempo o seu impacto sobre o ambiente", disse Matt McLoughlin, diretor das vendas de Second Wind.

Os sistemas de Second Wind rentabilizaml o desenvolvimento dos parques eólicos em 50 países dos sete continentes.

-0- PANA AR/SEG/FJG/TBM/IBA/CJB/DD     11fev2011

11 Fevereiro 2011 19:50:48


xhtml CSS