Eleição do novo presidente do Parlamento em destaque no Senegal

Dakar- Senegal (PANA) -- A eleição domingo último de Mamadou Seck à presidência da Assembleia Nacional do Senegal esteve em destaque nas primeiras páginas dos diários senegaleses durante desta semana.
Com o título "Mamadou Seck, a verdadeira e falsa armadilha", o jornal Le Quotidien salienta que "é ele que está na origem da partida de Macky Sall", o ex-presidente do Parlamento do Senegal.
Há um ano, lembra o Le Quotidien, "ninguém imaginava que o promotor da escandalosa convocação pela Assembleia Nacional dos responsáveis da Agência Nacional para a Organização da Conferência Islâmica (ANOCI) seria o sucessor designado de Macky Sall".
Contudo, nota o diário independente, Mamadou Seck, teve a coragem e a honestidade de reconhecer a sua responsabilidade por este assunto "contrariamente àqueles que, apesar de implicados como ele no assunto, nunca ousaram falar disto publicamente".
Segundo o diário privado, o novo presidente da Assembleia Nacional goza "de uma boa reputação" pois é visto como sendo "uma pessoa digna e pouco atraída pelo jogo de clãs".
Apesar de tudo, estima o diário L'Observateur, a sua eleição é fruto de "cálculos de Wade (Presidente do Senegal)".
O chefe do Estado senegalês conseguiu uma vez mais supreender o seu universo, prosseguiu o jornal para quem a escolha do presidente da Câmara Municipal de Mbao (periferia de Dakar) à frente do Parlamento "inscreve-se no quadro de uma alta estratégia política".
Para o L'Observateur, tratava-se de "escolher uma figura fácil de controlar a fim de ocupar uma estação com múltiplas implicações" pois "Wade não podia correr o risco de promover um traidor que pode do pé para a mão revoltar-se contra ele".
A eleição do novo presidente da Assembleia Nacional é um sinal de que o regime de Wade está mais do que nunca decidido a "seduzir" o subúrbio de Dakar, doravante cobiçado com insistência por decidores públicos, sublinha o L'Observateur.
A semelhança do Le Quotidien, o diário Walfadjiri frisa que o Partido Demcrático Senegalês (PDS, no poder) levou à frente do Parlamento "o presumível autor da queda do ex-presidente da Assembleia Nacional (Macky Sall).
O Walfadjiri descreve o novo líder do Parlamento como sendo "um homem da sombra, um militante e um quadro autêntico do PDS".

22 Novembro 2008 12:36:00


xhtml CSS