Director Geral da UNESCO condena assassinato de jornalista somalí

Paris- França (PANA) -- O director;geral da Organoizaç]ao das Nacç]oes Unidas para a Educação, CIência e Cultura (UNESCO), Koïchiro Matsuura, condenou segunda-feira a morte dum jornalista somalí, Bashir Nor Gedi, assassinado na sua residência a 19 de Outubro, soube a PANA de fonte oficial.
"Condeno o assassinato de Bashir Nor Gedi.
Após anos de violência, a Somália necessita de cada vez mais comunicações, informações e debates a fim de consolidar os fundamentos da sua reconstrução.
Os assassinos que querem amordaçar os médias violam o direito inalienável das pessoas de pensar e decidir sobre o que é justo e bom para eles", declarou Matsuura num comunicado de imprensa.
"Estou profundamente preocupado com a onda da violência que, na Somália, visa jornalistas e colaboradores dos médias, bem como pessoas que têm a coragem de realizar o seu dever profissional num ambiente tão perigoso", acrescentou.
A 19 de Outubro último, um comando de jovens de 14 a 20 anos, assassinou Bashir Nur Gedi diante do seu domicílio.
Trata-se do oitavo colaborador dos médias assassinado na Somália desde o início do ano.
Menos dum mês antes, o director em exercício de Rádio Shabelle, Jafar Mohammed "Kukay", foi vítima duma tentativa de assassinato.
Além disso, no mesmo dia, cinco jornalistas foram detidos e as forças de ordem procederam ao encarramento da Rádio Garowe.
A UNESCO é a única agência do sistema das Nações Unidas que tem um mandato para defender a liberdade de expressão e a liberdade da imprensa.
De acordo com o artigo 1 do seu Acto Constitutivo, a organização propõe-se a "assegurar o respeito universal pela justiça, pela lei, pelos direitos humanos e pelas liberdades fundamentais para todos, sem distinção de raça, sexo, língua ou religião, que a Carta das Nações Unidas reconhece a todos os povos".

23 Outubro 2007 18:04:00




xhtml CSS