Dinamarca propõe destruição no estrangeiro de armas químicas da Líbia

Tripoli, Líbia (PANA) – O Governo dinamarquês ofereceu, segunda-feira, os seus serviços para transferir as armas químicas da Líbia para as destruir num outro país, e evitar que caiam nas mãos de extremistas, noticiou esta terça-feira a imprensa líbia.

As autoridades dinamarquesas propuseram os meios logísticos necessários à transferência das armas, com a participação de outros países, incluindo a Finlândia, numa operação coordenada pela Organização para a Interdição das Armas Químicas (OIAC), acrescenta a mesma  fonte.

"A Dinamarca (...) assume as suas responsabilidades internacionais de contribuir de forma muito tangível para os esforços da comunidade internacional para lutar contra a proliferação das armas químicas no mundo", declarou o ministro dinamarquês dos Negócios Estrangeiros, Christian Jensen, num comunicado.

Em julho último, por unanimidade dos seus membros,  o Conselho de Segurança da ONU decidiu autorizar os Estados-membros a « adquirir, controlar, transportar, transferir e destruir » as armas químicas restantes na Líbia, a fim de garantir a eliminação do programa de armas químicas líbio, o mais cedo possível e nas melhores condições de segurança.

A adoção desta resolução surge após a decisão do Conselho Executivo da  OIAC, que   encarrega o seu diretor-geral a ajudar a Líbia a estabelecer um plano modificado de destruição das suas armas químicas.

Numa carta enviada à OIAC, mencionada na resolução, as autoridades da Líbia precisam que todas as armas químicas restantes foram transferidas para uma zona de armazenamento no norte do país e solicitam o seu apoio para a sua destruição.

A Líbia aderiu à Convenção sobre a Proibição do Fabrico, Armazenamento e Utilização das Armas Químicas e sua Destruição em 2004.

-0- PANA BY/JSG/FK/IZ 16ago2016

16 Agosto 2016 19:33:11




xhtml CSS