Desconfiança e suspição no seio da Junta na Guiné-Conakry

Conakry- Guiné (PANA) -- A desconfiança e a suspição reinam actualmente entre os membros do Conselho Nacional para a Democracia e Desenvolvimento (CNDD), Junta militar no poder na Guiné-Conakry, desde a evacuação para Maroccos do seu chefe, capitão Moussa Dadis Camara, ferido quinta-feira a tiro pelo seu ajudante de campo, indicou sábado à PANA uma fonte autorizada.
Segundo a fonte que pediu o anonimato, os membros da Junta estão todos com as atenções viradas para Rabat onde o seu chefe foi internado no Hospital Militar local para os cuidados necessários, após de ter escapado a uma tentativa de assassinato.
O atentado contra Dadis Camará é atribuído ao tenente Toumba Diakité, seu ajudante que campo que teria disparado contra ele no recinto do Batalhão Autónomo da Segurança Presidencial (BASP) durante uma viva discussão.
O chefe da Junta, que foi atingido na cabeça, estaria "fora de perigo", assugura o CNDD, enquanto outras fontes sublinham que ele teria sido seriamente atingindo.
"Se o chefe da Junta vier a falecer na sequência dos seus ferimentos, os seus camaradas não vão tardar a fomentar um novo golpe (.
.
.
) É preciso contar também com oficiais na sombra, que serviram o falecido Lansana Conté", sublinha a mesma fonte.
Os Guineenses que evitam o centro da cidade, sede de escritórios, negócios, estabelecimentos comerciais, escondem-se nas suas casas e muitos deles temem o pior, uma vez que os militares, fortemente armados, continuam a patrulhar as ruas desertas.
Diversas pessoas asseguram que não é de se afastar a eventualidade de um outro golpe de Estado, nomeadamente num contexto em que persistem dificuladades para escolher aquele que vai substituir interinamente o capitão Moussa Dadis.
Este último tomou o poder de forma irregular, a 23 de Dezembro último, algumas horas após a morte do general Lansana Conté, na sequência duma prolongada doença após 24 anos à frente do Estado.

05 Dezembro 2009 17:46:00


xhtml CSS