Demissão do treinador da selecção de futebol de Cabo Verde

Praia- Cabo Verde (PANA) -- O treinador da selecção nacional de futebol de Cabo Verde, Oscar Duarte, apresentou quinta-feira a sua demissão do cargo que exercia há cerca de cinco anos, apurou a PANA no mesmo dia de fonte segura na Praia.
Apesar de se ter recusado a revelar aos jornalistas os motivos que estiveram na base do seu pedido de demissão, tudo leva a crer que a sua saída do comando técnico da equipa principal de Cabo Verde esteja relacionada com as polémicas declarações proferidas pelo treinador após o jogo do passado sábado frente ao Togo.
Após esse jogo, a contar para a terceira jornada do Grupo 5 da eliminatória para a CAN 2004, e que Cabo Verde venceu por 2-1, o seleccionador cabo-verdiano surpreendeu toda a gente ao insultar publicamente os adeptos da equipa da casa com algumas palavras obscenas, gesto que foi considerado então pela generalidade dos analistas como algo inadmissível por parte de quem dirige a equipa mais representativa do país.
Entretanto, Oscar Duarte viria a reconhecer, na segunda-feira, em entrevista à Rádio de Cabo Verde (RCV) que tinha sido incorrecto, mas explicou o seu desabafo dizendo que tem sido pressionado e insultado, não só quando perde mas mesmo quando ganha.
"Sinceramente, no sábado fiquei verdadeiramente decepcionado com parte do público onde houve alguém que até me arremessou uma garrafa", disse o treinador que aproveitou para apresentar desculpas públicas pelo seu gesto irreflectido.
Durante o tempo em que esteve à frente da selecção de Cabo Verde, Oscar Duarte conquistou com a equipa cabo-verdiana a X Edição da Taça Amilcar Cabral, disputada em 2000, na cidade da Praia, facto considerado até agora com um dos mais importantes feitos do futebol cabo-verdiano.
O técnico deixa a equipa num momento em que Cabo Verde ocupa a segunda posição do Grupo 5 da classificação para a fase final do CAN 2004, mercê de duas vitórias frente a Mauritânia e ao Togo e uma derrota em casa frente ao Quénia, equipa que comanda o grupo com mais três pontos de que os cabo-verdianos.
Por enquanto, não se conhece nenhuma reacção do presidente da Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF), Mário Semedo, e nem tão pouco o nome do técnico que irá comandar a selecção cabo-verdiana nos próximos jogos da eliminatória do CAN 2004, previstos para os meses de Junho e Julho.

03 أبريل 2003 20:16:00


xhtml CSS