Debate sobre pensamento de Amilcar Cabral em Cabo Verde

Praia- Cabo Verde (PANA) -- O grupo parlamentar do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, no poder) vai realizar, na próxima semana, na Praia, uma mesa-redonda sobre "Actualidade do Pensamento de Amilcar Cabra", apurou a PANA segunda-feira na cidade da Praia de fonte bem informada.
De acordo com a fonte, o debate inscreve-se no âmbito do programa que vai assinalar no arquipélago a passagem do 30º aniversário do assassinato, em Conakry, "do fundador das nacionalidades guineense e cabo-verdiana".
Os responsáveis do grupo de deputados da força política que se reclama como herdeira do pensamento daquele que é considerado como o Herói Nacional cabo-verdiano dizem, num texto de enquadramento, que, ao promoverem este fórum, mais não pretendem do que dar o seu contributo para o conhecimento e a divulgação do legado histórico e cultural de um homem e de um filho do povo cabo-verdiano que "marcou uma época e talvez mesmo uma civilização".
Para o PAICV, o contributo de Amilcar Cabral extravasa as fronteiras de Cabo Verde e mesmo as do continente africano.
"Tanto como teórico do humanismo, como estratega militar ou como pensador, na área cultural, ele deixou-nos um legado invejável que a história regista e o mundo reconhece", sublinha a nota.
O partido que conduziu Cabo Verde à independência, a 5 de Julho de 1975, considera assim que a luta pela dignidade humana, a defesa da unidade entre os povos, a valorização da africanidade e a assunção da cultura como expressão e alma do humanismo, "constituem alguns dos principais elementos programáticos da luta de libertação dos povos da Guiné e Cabo Verde" conduzida por Cabral.
O PAICV lamenta, no entanto, que, enquanto esse legado histórico de Cabral vem sendo estudado , investigado e divulgado além- fronteiras, em Cabo Verde, terra da sua primeira educação e formação, quer na casa paterna, quer no meio rural e citadino, "esse legado encontra-se ainda, em grande parte, escondido atrás da bruma da história e da poeira dos arquivos da memória".
O grupo parlamentar do partido no poder reconhece que, devido a este facto, a nova geração quase que o desconhece e a velha geração, em grande parte, tem um conhecimento muito limitado do pai da nacionalidade cabo-verdiana.
Apesar dessas lacunas, a figura de Amilcar Cabral sempre mereceu o consenso de grande parte da sociedade cabo-verdiana enquanto principal mentor da independência de Cabo Verde e da fundação da nacionalidade cabo-verdiana.
Contudo, nos últimos tempos algumas vozes têm vindo a pôr em causa a legitimidade da atribuição a Amilcar Cabral do papel de fundador da nacionalidade cabo-verdiana.
É caso, por exemplo, do deputado do Movimento para a Democracia (MpD) e ex-ministro da Cultura, António Jorge Delgado, que, recentemente provocou um autêntico "terramoto político" quando afirmou numa sessão plenária do Parlamento cabo-verdiano que "Amilcar Cabral, fundador da nacionalidade guineense, foi imposto aos cabo-verdianos, pelo PAIGC/CV, como fundador da sua nacionalidade».

14 Janeiro 2003 14:07:00


xhtml CSS