Côte d'Ivoire chamada a sair do impasse político

Nova Iorque- Estados Unidos (PANA) -- O impasse político actual na Côte d'Ivoire favorisa as tensões e entrava os esforços para a normalização da situação neste país da África Ocidental, disse sexta-feira um emissário da Organização das Nações Unidas (ONU).
O representante especial do Secretário-Geral (SG) da ONU na Côte d'Ivoire, Y.
J.
Choi, sublinhou este facto quando fazia um relatório ao Conselho de Segurança (CS) da ONU.
Ele frisou que a sua instituição envidou nestes ultimos oito anos esforços para ultrapassar a crise política que dividiu o país em duas entidades controladas pelo Governo e pelos rebeldes.
"Este impasse político não é facilita as coisas.
Na realidade, durante oito anos que durou a crise, adiamentos incessantes da implementação dos diferentes acordos de paz provocaram uma profunda frustração no seio das populações ivoirienses e da comunidade internacional", disse Choi aos 15 membros do CS a propósito dos últimos desenvolvimentos na Côte d'Ivoire.
O representante especial do SG da ONU lamentou igualmente que "esta situação perista e que as eleições continuem ainda hipotéticas", estimando que a razão deste impasse é que os três principais protagonistas na crise insistem em defender seus interesses particulares.
O campo presidencial quer a reunificação do país antes da eleição presidencial, ao passo que a oposição pensa o contrário, as Forças Novas (ex- rebelião armada), por sua vez, exige a reinserção e a reparação antes da reunificação, de acordo com Choi.
"Conforme decidido pelas três partes em 2008, uma reunificação de facto deve ser realizada dois meses antes da presidencial", sustentou o enviado especial da ONU.
O SG da ONU, Ban Ki-moon, sublinhou, num recente relatório, que a ausência de progresso na resolução do impasse levou algumas pessoas a interrogarem-se sobre a pertinência dos acordos de paz de Ouagadougou (Burkina Faso), assinado em 2007 e que é a base duma reconciliação política.
Este acordo foi rubricado no Burkina Faso, sob a mediação do chefe do Estado burkinabé, Blaise Compaoré.
Ban Ki-moon recomendou igualmente a manutenção da Operação das Nações Unidas na Côte d'Ivoire (ONUCI) até ao fim do ano 2010 com o mesmo dispositivo militare e policial.
Ele estimou necessário um apoio total das Nações Unidas para oferecer à Côte d'Ivoire uma oportunidade de realizar a última fase conducente às eleições.

05 Junho 2010 15:03:00




xhtml CSS