Conversações de paz em fase crucial na Somália

Nairobi- Kenya (PANA) -- As negociações para a paz e reconciliação na Somália que decorrem em Mbagthi, Nairobi, entraram na sua já na sua fase crucial com os mais de 500 delegados a se prepararem para discutir o projecto da Carta do governo de unidade, segundo fontes próximas das conversações.
Em declarações à imprensa nesta sexta-feira, o presidente das conversações, que contam com o patrocínio da Autoridade Inter- Governamental para o Desenvolvimento (IGAD), Bethwel Kiplagat, disse a que a conferência "está a marchar".
Mas o presidente do Governo Nacional de Transição (TNG), Abdikassim Salad Hassan, anunciou na terça-feira passada a sua retirada das negociações acusando os facilitadores de estarem a ser influenciados pela Etiópia.
Criticou o projecto da Carta que, para ele, era omisso quanto às questões de religião e Estado, língua nacional e unidade nacional.
Nos termos da Declaração de Arte (Djibouti) de há três anos, o mandato do governo de transição termina a 13 de Agosto e, segundo analistas, Hassan estaria a retardar a retomada das negociações de paz como forma de prolongar o seu mandato.
"Tudo o que tenho feito como presidente do processo de reconciliação é respeitar os desejos dos delegados somalís.
Não sou ditador como pretende fazer crer (o Presidente) Hassan", disse Kiplagat para acrescentar que "embora nós tenhamos já uma representação suficiente nas negociações, as portas continuam abertas e estamos prontos para recebê-lo (Hassan) de volta a qualquer momento".
Depois de nove meses de deliberações, disse, os delegados já adoptaram cinco relatórios de trabalho para o futuro governo na Somália.
São relatórios que abordam questões importantes incluindo a desmobilização e a reintegração, a terra e direitos de propriedade, reconstrução económica, edificação de instituições e mobilização de recursos, disse.

01 Agosto 2003 17:36:00




xhtml CSS