Conspiração contra Kabila faz manchete em Kinshasa

Kinshasa- RD Congo (PANA) -- Os jornais publicados esta semana em Kinshasa comentaram largamente as revelações feitas pelo jornal belga La Dernière Heure, a cerca de uma conspiração visando assassinar o chefe de Estado congolês Joseph Kabila.
"Matem, matem, também morrerão", é o título do editorial de sexta-feira do diário L'Avenir, que se interrogou por que se conspira contra o presidente congolês que, contrariamente ao seu antecessor, o seu malogrado pai Laurent-Désiré Kabila, pelo menos desbloqueiou o processo de paz na RD Congo.
O jornal pede aos mentores desta maquinação que não continuem a pensar que a "RD Congo é o mais fraco da região".
"Brazzaville não deve alicerçar as suas pretensões sobre uma ascensão militar na RDC, baseando-se na sua victória conquistada de maneira que se sabe", escreve o jornal.
No respeitante ao Gabão, um outro Estado vizinho implicado nesta trama pelo jornal belga La Dernière Heure, "nunca foi visto com armas na mão".
"Matar não é um valor e os que matam não são imunizados contra a morte", deu a conhecer o L'Avenir, advertindo que "se Kabila pai morreu sem que os mentores estrangeiros do seu assassinato tivessem sofrido as consequências dos seus actos, desta vez não vai ser a mesma coisa no país.
Isto já é demais", concluiu o diário congolês.
O jornal revelou ainda que "um americano comprou de facto um míssil Strela que deve abater o avião do presidente congolês", porque, "segundo este americano, o presidente Kabila deve desaparecer antes do fim do ano".

13 Setembro 2003 21:52:00


xhtml CSS