Conselho de Paz e Segurança da UA acolhe novos membros

Addis Abeba, Etiópia (PANA) – Eleitos durante a reunião ministerial da Cimeira da União Africana  (UA) sábado em Addis Abeba,  Angola, Egito, Guiné-Conakry, Camarões, Côte d'Ivoire e Congo são agora membros do Conselho de Paz e Segurança e Paz (CPS) da organização pan-africana.

A Etiópia e a Eritreia, que submeteram igualmente as suas candidaturas à eleição dos membros do CPS,  não conseguiram assentos, após terem perdido o voto do seu vizinho mais conciliante, Djibuti.

Também entrou no "clube" a Tanzânia, para um mandato de dois anos.

A Guiné-Conakry, a Côte d'Ivoire e a Gâmbia representam a África Ocidental ao passo que o Lesoto e Angola vão representar a África Austral e o Egito a África do Norte.

O CPS tornou-se num órgão potente no seio da UA, como o ilustra o interesse crescente que desperta nos seus países-membros.

Reeleito no mesmo dia, o Uganda presidirá a uma sessão que vai decidir sanções contra  Madagáscar.

Os dez novos membros vão juntar-se a outros cinco já presentes para um mandato de três anos no comando deste órgão continental, que se impôs rapidamente como o órgão da UA mais operacional e melhor dirigido.

No entanto, o CPS é muitas às vezes acusado de indecisão face a maiores conflitos no continente.

A Côte d'Ivoire, que estava mergulhada num conflito mortífero, estava suspensa após o ex-Presidente Laurent Gbagbo ter-se recusado a entregar o poder ao seu rival, Alassane Ouattara, no termo das eleições presidenciais de 28 de novembro de 2010.

Os novos membros vão substituir o Burundi, o Tchad, o Mali, a Namíbia e o Rwanda em abril de 2012.

A Líbia, a Guiné Equatorial, o Quénia, a Nigéria e o Zimbabwe foram eleitos para o um  mandato de três anos.

Os mandatos do CPS são renováveis para permitir a alguns membros experientes dirigirem as suas operações durante muito tempo, prosseguindo ao mesmo tempo com as suas missões diplomáticas no resto do mundo.

O Conselho estabeleceu relações com parceiros já existentes há muito tempo, tais como o Conselho de Segurança das Nações Unidas e a Comissão Permanente Europeia sobre a segurança, com os quais se reúne constantemente para discutir sobre  a situação da paz e segurança em África.

As recomendações do CPS estão, nestes últimos tempos, na origem da ação contra a maioria dos conflitos em África desde a sua criação, mas a sua eficácia foi muitas vezes entravada por interesses das potências regionais, que determinam a sua reação a um  determinado conflito, indicam peritos.

Os dirigentes africanos, reunidos em Addis Abeba de 29 a 30 de janeiro, vão aprovar a eleição dos novos delegados.

Estas eleições decorreram no quadro duma mini-cimeira do bloco oeste-africano, a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), organizada pelo Presidente beninense, Yayi Boni, enquanto novo Presidente em exercício da UA.

Esta decisão foi tomada após o Benin se ter oposto vigorosamente à candidatura de última hora da Nigéria a este posto, apoiado para este assento pelo Presidente ganense, John Atta Mills, soube a PANA de fontes próximas desta reunião sábado.

O novo Presidente em exercício da UA foi instalado nas suas funções neste domingo.

-0- PANA AO/VAO/FJG/JSG/CJB/DD 30jan2012

30 Janeiro 2012 09:03:58




xhtml CSS