Congolesa vence prémio de química na Suíça

Kinshasa- RD Congo (PANA) -- Uma congolesa identificada como Karina Ndjoko venceu o prémio Alfred Vogel pela sua tese escrita no Instituto Farmacológico e Fitoquímico da Universidade de Lausanne (Suíça), noticiou um jornal suíço.
O jornal informou que Ndjoko, de 32 anos, desenvolveu novos métodos analíticos que permitem a identificação de substâncias tóxicas causadoras de efeitos secundários em medicamentos.
O processo elaborado pela cientista congolesa é uma inovação na indústria farmacêutica, sublinhou o júri, adiantando que o método ajudará a garantir a eficiência e a segurança dos fotomedicamentos feitos de plantas.
Para Karine Ndjoko, a honra internacional tem uma importância mais simbólica do que o seu valor científico.
"Sei, através do interesse que me causou, que este prémio é visto como uma gratidão para a mulher africana, para a minha família e para a comunidade congolesa", disse.
"O impacto é mais importante ainda porque ocorre logo após a votação da iniciativa federal destinada a limitar a imigração.
Ao vencer este prémio, sinto que contribuí para o processo de integração", sublinhou.
Ndjoko vive na Suíça desde 1981 e dirige actualmente o serviço analítico do Instituto Farmacológico e Fitoquímico da Universidade de Lausanne onde prossegue as suas pesquisas para seguir uma carreira académica.

20 Maio 2006 11:05:00


xhtml CSS