Condenação de saqueadores de diários em destaque na imprensa

senegalesa Dakar- Senegal (PANA) -- A condenação pela justiça senegalesa a penas de prisão efectiva dos saqueadores dos diários privados L'As e 24 Heures chrono, ocupa as primeiras páginas dos jornais senegaleses deste fim-de-semana.
Quinta-feira última, o Tribunal dos Flagrantes Delitos de Dakar condenou os autores do saque dos jornais acima citados a penas que vão de cinco e seis anos de prisão e a uma multa por danos causados às vítimas destas violências.
Este veredicto deixa famílias dos saqueadores emcionadas e algumas pessoas julgavam inutil depositar uma queixa pois a justiça não ia fazer o seu trabalho devidamente, escreve o L'As, acrescentando que os factos demonstraram estas pessoas estão erradas.
Do seu lado, o Le Populaire nota que "a mão dos juízes da Jurisdição dos Flagrantes Delitos não tremeu face aos doze ssqueadores", enquanto se espera, conforme prometido há dias pelo Presidente (senegalês) Wade no Palácio Presidencial francês, a comparência perante da justiça do ex-ministro senegalês dos Transportes Aéreos e Artesanato, Farba Senghor, acusado de ser o mentor deste saque.
Por sua vez, o diário privado Walfadjiri julga que a decisão da justiça é dissuasiva e reconcilia o sistema judiciário com o povo que começava a duvidar da sua independência e da sua imparcialidade.
Para este jornal, "parece claro que os juízes pretendem dissuadir os que eventualmente tentarem um outro dia praticar actos tão sórdidos, mas sobretudo reconciliar a justiça senegalesa com os cidadãos".
"A espada da justiça decapitou os autores do saque dos jornais", regozijou-se por seu turno o diário independente Le Matin.
O diário governamental Le Soleil, que coloca na sua primeira página a declaração de fidelidade de Farba Senghor ao Presidente Abdoulaye Wade, estima que o ex-ministro encontra-se "mais do que nunca numa má postura".

13 Setembro 2008 14:50:00


xhtml CSS