Comité nacional de luta contra a SIDA em criação no Congo

Brazzaville- Congo (PANA) -- A directora do Programa nacional de luta contra SIDA (PNLS) no Congo, Dr Marie Franck Purhuence, anunciou domingo em Brazzaville, a criação, nos próximos dias, de um Comité nacional de luta contra a SIDA, soube-se segunda-feira de fonte oficial.
Este comité, a ser presidido pelo chefe do Estado congolês, Denis Sassou Nguesso, terá como missão pautar pela melhoria da coordenação da luta contra a SIDA, anunciou segunda-feira a Rádio pública congolesa.
A estrutura ccompreenderá um secretariado executivo multisectorial, que integra peritos que pertencem a saúde e os que estão fora do sector, das Organizações não governamentais, das confissões religiosas e do sector privado.
A dra Purhuence anunciou também a elaboração dos planos sectoriais operacionais para a implementação efectiva das acções da luta contra a pandemia da SIDA.
Os deputados e senadores congoleses prometeram domingo,em Dolisie, a 400 km no sul de Brazzaville, empenhar-se na luta contra o HIV/SIDA,numa "declaração de compromisso", publicada por ocasião do dia internacional de luta contra a SIDA, comemorado a 1 de dezembro, noticiou ainda a Rádio pública congolesa.
Os parlamentares comprometeram-se ainda a defender a afectação de uma parte da Provisão para investimento diversificado (PID) à luta contra a SIDA e "empreeender, em parceria, acções que visem o reforço das capacidades das comissões de Saúde do senado e da Assembleia nacional assim como a Rede das mulheres do Parlamento na luta contra a pandemia".
18 deputados e 12 senadores prometeram defender, por um lado, a integração sistemática do HIV/SIDA, como prioridade nos planos e orçamentos sectoriais e, por outro lado, a protecção dos direitos fundamentais das pessoas infectadas e afectadas por esta doença, que se tornou numa das primeiras causas de morte no Congo.
O Congo vai dotar-se, antes do final deste ano, de um Plano nacional estratégico de luta contra a SIDA, elabordado com o apoio das organizações do sistema das Nações Unidas.
Este plano é fruto de um processo participativo, que facilitou a implicação efectiva das organizações da sociedade civil, nomeadamente associações de pessoas portadores do HIV, comunidades de base, administrações públicas, sector privado e organizações internacionais.
A directora do FNLS, Dra Furhuence, que traçou um quadro sombrio da doença no Congo, afirmou que 110 mil congoleses, de uma população estimada em três milhões de habitantes, são portadores da doença.
O número de pessoas seropositivas é estimado em mais de 190 mil.
O Congo conta com um pouco mais de 70 mil órfãos da SIDA.
Os estudos feitos pelo PNLS indicam que, em 2000 em Brazzaville, a taxa de prevalência nas mulheres grávidas era de 5 por cento contra mais de 14 por cento em Ponta-Negra, segunda cidade do país.
Entre os doadores de sangue, a taixa é de 4,5 por cento em Brazzaville e 22 por cento em Dolisie.
Em 2001, as previsões orçamentais de funcionamento e de investimento do PNLS, estimadas em 131 milhões de FCFA,foram concretizadas apenas em cerca de 25 por cento.

02 Dezembro 2002 15:52:00


xhtml CSS