Coletivo de ONG reclama por repatriamento de refugiados mauritanos no Mali

Nouakchott, Mauritânia (PANA) - O Fórum das Organizações Nacionais dos Direitos Humanos (FONADH), um coletivo de cerca de quinze ONG, reclama pela assinatura de um acordo tripartido entre os Governos da Mauritânia e do Mali e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), para o repatriamento dos refugiados mauritanos no Mali.

Numa declaração divulgada sexta-feira, o coletivo denuncia vivamente as recentes declarações feitas diante da Assembleia Nacional mauritana pelo ministro do Interior, Mohamed Ould Boilil, negando a existência destes refugiados.

O coletivo recorda que "desde 1989, uma parte da população Peulh (tribo de pastores maioritariamente muçulmanos repartidos na África Ocidental) das regiões de Kankossa, Ould Yenge e Selibaby (sudeste da Mauritânia, fronteiriço do oeste maliano), foi obrigado a refugiar-se na região de Kayes (oeste do Mali) por elementos das forças de segurança ou os seus suplentes durante o período 1989-1990 ».

Por outro lado, prosseguiu,  « várias missões de instituições humanitárias, entre as quais o ACNUR, sustentam a existência de comunidades de refugiados mauritanos no Mali e, recentemente ainda, a agência especializada da ONU iniciou o censo destas populações.

Na sequência dos confrontos étnicos que fizeram, no final de abril de 1989, centenas de vítimas, nas duas margens do rio Senegal, várias dezenas de milhares de Mauritanos foram forçados a deixar o seu país e refugiar-se nos Estados vizinhos.

-0-PANA SAS/SSB/CJB    14out2011.

14 Outubro 2011 21:30:18


xhtml CSS