Cimeira sobre conflito da Somália em Nairobi

Nairobi- Quénia (PANA) -- A cimeira regional sobre o conflito na Somália iniciou-se esta sexta-feira, em Nairobi, na presença dos Presidente Mwai Kibaki do Quénia, e Yoweri Museveni do Uganda.
"O lento genocídio que ameaça destruir a população somalí deve parar", declarou na abertura o chefe de Estado ugandês, também presidente em exercício da Autoridade Inter-Governamental para o Desenvolvimento (IGAD).
Por seu turno, Kibaki indicou igualmente que no interesse da Somália, do Quénia e do continente inteiro, "esta guerra civil nesta nação do Corno de África deve parar".
"O Quénia continuará a desempenhar o seu papel mediador imparcial e neutro, na sua qualidade de país vizinho.
Desejamos ver a paz e a segurança restauradas na Somália e no Corno de África", disse.
No entanto, acrescentou, a busca de uma paz sustentável e a formação de um governo estável na Somália é sobretudo "uma questão de interesse nacional para o Quénia".
Estas negociações foram boicotadas por vários responsáveis somalís, mas o Presidente do governo de transição, Abdiqasim Salat, participa neste encontro que vai durar dez dias, e deverá culminar com a formação de um parlamento de 351 membros para o país.
A Somália está sem governo central desde 1991, na sequência do derrube do regime do ex-Presidente Siad Barre.
Recorde-se que Barre faleceu no exílio na Nigéria em 1995.

09 Janeiro 2004 21:27:00




xhtml CSS