Chefe militar pede unidade das Forças Armadas na Guiné-Conakry

Conakry- Guiné-Conakry (PANA) -- Tiroteios foram ouvidos domingo à noite no Batalhão Autónomo da Segurança Presidencial (BASP), em Conakry, numa altura em que o chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, coronel Oumar Sano, apelava para a solidariedade e a unidade no seio da corporação após a tentativa de assassinato, quinta-feira última, do líder da junta militar, capitão Moussa Dadis Camara.
O coronel Sano exortou as forças de defesa e segurança a garantir a segurança dos cidadãos e dos estrangeiros residentes na Guiné-Conakry onde as autoridades comunicaram números verdes para ajudar a capturar o ajudante de campo do líder da junta, Aboubacar "Toumba" Diakité, que feriu a tiro o capitão Dadis Camara.
"O Presidente está fora do perigo.
Os autores desta tentativa de assassinato serão perseguidos e processados pelas jurisdições competentes", declarou o coronel Sano.
O Conselho Nacional para a Democracia e Desenvolvimento (CNDD), no poder desde 23 de Dezembro último na Guiné-Conakry, e o Governo prometeram "uma forte recompensa" a qualquer pessoa que fornecer informações sobre Toumba cujos cúmplices foram detidos em Pamelape, na fronteira com a Serra Leoa.
O general Sékouba Konaté "El Tigre", muito próximo de Dadis, ministro da Defesa e terceira figura do CNDD, que encurtou uma missão no Líbano para vir à Conakry após a tentativa de assassinato do seu líder, assume doravante a Presidência interina.
O general Mamadou Toto Camara, segunda personalidade na hierarquia do CNDD e ministro da Segurança bem como o primeiro vice-presidente do CNDD encontram-se ausentes do país.
Segundo várias fontes, o general Konaté substituiu, à sua chegada sábado de madrugada, vários responsáveis de unidade.

07 Dezembro 2009 20:09:00


xhtml CSS