Cartum rejeita supervisão da UE em Darfur

Cartum- Sudão (PANA) -- As autoridades de Cartum rejeitaram vivamente o plano da União Europeia (UE) de enviar uma equipa para verificar o respeito da trégua concluída entre o governo e os dois movimentos rebeldes da região de Darfur.
Respondendo terça-feira a um anúncio pela UE da sua intenção de enviar um grupo de fiscalização a Darfur, o ministro dos Negócios Estrangeiros interino, Najeeb Alkheir ABelewahab, disse que a posição do seu governo "é clara e firme e Cartum continua fiel ao acordo" assinado com os dois grupos rebeldes em Abril passado.
"Sabemos que o acordo definiu precisamente os compromissos das duas partes e visa restabelecer definitivamente a estabilidade e a paz na região", declarou Abdelwahab, numa conferência de imprensa.
De acordo com ele, "o cessar-fogo não compreende nenhum artigo relativo a qualquer intervenção externa, mas estipula medidas para manter a segurança".
Os dois grupos rebeldes, o Movimento para a Libertação do Sudão (SLM) e o Movimento para a Justiça e Equidade (JEM) assinaram uma trégua renovável de 45 dias com o regime de Cartum, a 8 de Abril passado, recorde-se.
Estes últimos pegaram em armas há um ano para exigir direitos políticos e económicos para a região que, segundo eles, foi marginalizada pelas autoridades de Cartum.
Mas o SLM e o JEM acusam insistentemente a milícia Djandjaweed, apoiada por Cartum, de violações constantes da trégua.
Estima-se em 10 mil o número de pessoas mortas e em cerca de um milhão o de deslocadas por este conflito incluindo milhares que se refugiaram no Tchad.
Duas missões de alto nível das Nações Unidas para as questões humanitárias e Direitos Humanos que se deslocaram recentemente a Darfur indicaram que as milícias Djandjaweed incendiavam as aldeias e entregavam-se a violações flagrantes dos Direitos Humanos.

23 Junho 2004 10:54:00




xhtml CSS