Campanha de vacinação contra sarampo e rubéola atinge 239.258 pessoas em Cabo Verde

Praia, Cabo Verde (PANA) - A campanha de vacinação contra o sarampo e a rubéola, entre 14 a 24 do mês em curso, permitiu a imunização de um total de 239.258 pessoas, correspondendo a uma taxa de cobertura de 95,7 porcento do público alvo (251.842) previsto, soube a PANA, sexta-feira, na cidade da Praia de fonte sanitária.

De acordo com os dados divulgados, os resultados da campanha, que se propunha vacinar todos os indivíduos dos nove meses aos 25 anos, indicam que a meta proposta de uma cobertura de 95 % do público alvo foi atingida na plenitude.

Ao fazer o balanço da campanha, a ministra adjunta e da Saúde, Cristina Fontes Lima, sublinhou que a mesma “partiu do pressuposto de que era preciso atingirmos esta fasquia para podermos dizer que estaremos em condições de nos ver livres do sarampo e da rubéola” em 2020.

Para o representante da OMS em Cabo Verde, Ambrósio Disadidi, os dados atingidos constituem “um orgulho” para todos quanto estiveram à frente da campanha.

No entanto, Ambrósio Disadidi advertiu que a campanha terminou, mas a vacinação contra a rubéola e o sarampo vai continuar a ser feita nos locais de sempre para que as crianças que não completaram nove meses de idade também sejam imunizadas.

Os dados provisórios divulgados indicam que a campanha de vacinação atingiu taxas superiores a 100 porcento em concelhos como Ribeira Brava (103,99%), Brava (101,53%) São Filipe (101,76%) São Lourenço dos Órgãos (104,18%) e Tarrafal de São Nicolau (100.06%).

Com uma cobertura superior a 90%, figuram os concelhos da Praia, com 97,59%; do Tarrafal, com 98,43%; Santa Cruz, 98,94%; Ribeira Grande de Santo Antão, 96,29; Porto Novo, 97,45 %; Paul, 95,48%; São Vicente, 92,45%; São domingos, 95,48%; Maio, 90,39%; Santa Catarina de Fogo, 92,75%; São Miguel, 92,87%; Santa Catarina, 94,00%; e Boa Vista, 93,34%.

Mosteiros, com 89,83%, São Salvador do Mundo, com 84,86%, Sal, com 81,81% e Ribeira Grande de Santiago, com 81,39, estão entre os concelhos com taxa de cobertura de vacinação inferior à meta preconizada.

Esta campanha que pretende erradicar de Cabo Verde o sarampo e a rubéola até 2020 custou cerca de 51 mil contos (cerca de 464 mil euros), orçamento garantido pelo Fundo das Nações unidas para a Infância (UNICEF), pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Escritório das Nações Unidas em Cabo Verde.

Com a realização da campanha, Cabo Verde tornou-se o primeiro país africano a cumprir a solicitação da OMS nesse sentido, tendo como propósito erradicar os vírus do sarampo e da rubéola na região africana.

-0- PANA  CS/TON 25out2013

25 Outubro 2013 18:13:01




xhtml CSS