Cabo Verde valida Manual de Controlo e Seguimento do Cancro

Praia, Cabo Verde (PANA) - Cabo Verde valida, esta sexta-feira, o seu Manual de Controlo e Seguimento do Cancro que vem servir para uniformizar as normas e procedimentos de acesso aos diferentes tipos de cuidados do doente oncológico, apurou a PANA, na cidade da Praia, de fonte sanitária.

Este manual, que vai ser validado por ocasião do Dia Mundial de Luta contra o Cancro da Mama, é “uma das mais importantes” atividades do Programa de Luta contra o Cancro e vem colmatar uma lacuna há muito tempo existente no Sistema Nacional de Saúde.

Para além de uniformizar as normas e procedimentos de acesso ao tratamento, o manual define outras estratégias, nomeadamente a melhoria das condições de diagnóstico que, conforme  prevê o Ministério da Saúde, será feita através de capacitação dos profissionais de saúde, a melhoria dos serviços de anatomia patológica, da imagiologia e do acesso a outros meios de diagnóstico como as endoscopias.

Na área de tratamento, o documento realça a ajuda das cirurgias, bem como a quimioterapia que, desde 2005,. têm dado uma resposta “satisfatória” em Cabo Verde, evidencia igualmente a cooperação com Portugal que tem sido um parceiro “fundamental”, permitindo assim o acesso dos doentes cabo-verdianos a serviços de radioterapia.

O cancro é, há vários anos, a segunda causa da mortalidade em Cabo Verde e tem tido uma incidência crescente no país sendo também uma das doenças com maior evacuação para o exterior, o que acarreta custos incalculáveis tanto para o setor da saúde como para as famílias dos doentes e para a sociedade, em geral.

Neste momento, o desafio que o Ministério da Saúde é a criação de estratégias eficazes de controlo da doença e, nesta perspetiva, foi criado este ano o Programa de Rastreio e Prevenção dos Cancros junto da Direção Nacional de Saúde, que tem como um dos objetivos maiores a criação de diretrizes e normas de diagnóstico, tratamento e seguimento do doente oncológico, bem como a prevenção da doença no país.

Nesta matéria, os desafios futuros passam pelo rastreio dos cancros, nomeadamente o rastreio populacional do cancro do colo do útero (previsto para 2016) e da mama, a introdução da vacina para o HPV, e a introdução e melhoria dos métodos de diagnóstico e tratamento do cancro (serviço de radioterapia), bem como a implementação de um registo oncológico de base populacional, entre outros.

De acordo com o Ministério da Saúde, está prevista ainda a elaboração de um plano estratégico quinquenal de combate ao cancro a fim de que as ações nessa área sejam concertadas e o país consiga ter bons indicadores das doenças oncológicas e que os doentes tenham melhor qualidade de vida.

-0- PANA CS/DD 30out2015

30 Outubro 2015 17:16:14


xhtml CSS