Cabo Verde realiza recenseamento agrícola

Praia, Cabo Verde (PANA) - Cabo Verde vai realizar este ano o 5º Recenseamento Geral da Agrícola (RGA), uma operação estatística que vai possibilitar a recolha, o processamento e a divulgação de dados estruturais sobre os setores agrícola, da pecuária e aquacultura, soube a PANA, segunda-feira, na cidade da Praia, de fonte oficial.

Segundo uma fonte do Ministério do Desenvolvimento Rural (MDR), trata-se de “um projeto importante” para Cabo Verde, já que vai permitir a obtenção de indicadores necessários para a implementação da agenda política e de programas de desenvolvimento do país.

Nesta operação, além de informações relativas às explorações agrícolas, também serão recolhidos dados relacionados com a pecuária e a aquacultura (sistemas e métodos de criação), produção das diferentes fileiras da pecuária, efetivos, características de rebanhos, ambiente, entre outros.

O 4º RGA em Cabo Verde, que decorreu em 2004, apurou que nessa altura o setor agrícola no arquipélago continuava a ser dominado pelas famílias e explorado maioritariamente por mulheres.

O estudo revelou também que do total de 44 mil e 506 explorações agrícolas existentes no arquipélago apenas 56 não pertencem a familiares.

Apenas foram identificadas oito empresas agrícolas, sendo quatro em São Vicente, duas na Boa Vista e outras duas em Santa Cruz, no interior da ilha de Santiago.

Em todo o território cabo-verdiano apenas foi localizada uma cooperativa agrícola, situada no concelho da Praia.

Para além das empresas agrícolas serem então em número muito reduzido, a feminização do setor era uma outra característica da atividade agrícola em Cabo Verde.

A agricultura de sequeiro continuava a ser a mais praticada, mas notou-se que a utilização do regadio estava a ganhar terreno e neste aspeto o sistema de rega gota-a-gota já era utilizado na altura do recenseamento em oito por cento das parcelas.

Tudo leva crer que o novo recenseamento irá constatar um aumento significativo da área irrigada em Cabo Verde, graças à política de mobilização da água que o Governo está a implementar nos últimos anos e que traduziram na construção de barragens e dique para a retenção da água das chuvas, de estações de tratamento de águas residuais (ETAR), bem como a abertura e equipamentos de furos de água subterrânea.

-0-  PANA CS/TON  04agosto2014



04 Agosto 2014 17:44:33


xhtml CSS