Cabo Verde no Diálogo Brasil-África sobre Segurança Alimentar

Praia- Cabo Verde (PANA) -- O ministro cabo-verdiano do Ambiente, Desenvolvimento Rural e Recursos Marinhos, José Maria Veiga, encontra-se na capital brasileira, Brasília, para participar no Diálogo Brasil-África sobre Segurança Alimentar, Combate à Fome e Desenvolvimento Rural.
Este fórum de diálogo vai reunir em Brasília, até quarta-feira, delegações de dezenas de países africanos, numa iniciativa do Governo do Presidente Lula da Silva para reforçar a cooperação nesta área entre o seu país e África.
A PANA soube de fonte oficial que ao encontro é atribuída uma "importância máxima" por constituir uma "chamada de atenção" para que a agricultura não seja relegada para segundo plano e se ampliem parcerias justas nesta área.
Falando à imprensa à margem do encontro, o governante cabo-verdiano defendeu uma parceria de "igual para igual" entre africanos e países mais desenvolvidos, na medida em que "África pode viabilizar grandes negócios".
"Os Africanos já compreenderam que não podem dar-se ao luxo de serem alimentados por outros países.
Têm que trabalhar, têm que se organizar, mas tendo em conta que estamos num mundo global.
De África, poderemos viabilizar empresas e países ricos, e é neste quadro que temos que desenvolver uma parceria, não de submissão, mas de igual para igual", afirmou.
Segundo o ministro cabo-verdiano, mais de 265 milhões de pessoas passam fome em África, e o objectivo do milénio nesta área não será atingido em 2015.
"Precisamos de investimentos.
Há muitas zonas desertas em África que podem ser transformadas em verdadeiros espaços de produção alimentar.
Os países ricos têm condições de investir, e isto também vai ajudar a sustentabilidade das próprias empresas", considerou.
José Maria Veiga citou áreas em que a parceria de Cabo Verde com o Brasil pode ser reforçada, como aquacultura, gestão de água, investigação de novas variedades mais adaptadas e resistentes a pragas e extensão rural.
Durante abertura do fórum, o Presidente brasileiro, Lula da Silva, manifestou a intenção de abrir uma linha de crédito para incentivar a agricultura dos países africanos.
Lula da Silva não fez referência a valores, mas garantiu que os detalhes da proposta serão discutidos entre as autoridades brasileiras e os mais de 50 ministros da Agricultura de África que participam no encontro em Brasília.
"Temos condições de criar em África as mesmas condições de financiamento que criamos aqui no Brasil.
(.
.
.
) O século XXI tem que ser o século do renascimento africano", declarou Lula no seu discurso.
Na ocasião, Lula da Silva foi homenageado com o Prémio de Campeão do Mundo na Batalha contra a Fome, concedido pela Programa Alimentar Mundial (PAM) das Nações Unidas.
Na sua avaliação, Lula da Silva defendeu que o combate à pobreza só será vencido se for considerado uma prioridade na política orçamental de cada país.
"Os dirigentes mundiais precisam de definir que não há nada mais importante do que a segurança alimentar como forma de garantir a soberania e a autodeterminação dos povos", assinalou.

11 Maio 2010 15:27:00


xhtml CSS