Cabo Verde cria fundo para combater desemprego de jovens

Praia, Cabo Verde (PANA) - O Fundo de Promoção do Emprego e da Formação (FPEF), lançado segunda-feira na cidade da Praia, é um dos instrumentos que o Governo conta por de pé até a primeira quinzena do próximo mês de agosto para combater o desemprego entre os jovens cabo-verdianos, estimado em cerca de 30 porcento, soube a PANA de fonte oficial.

O fundo, cujo capital social ronda 80 mil contos (cerca de 728 mil euros), conta com o apoio do Novo Banco, instituição bancária local, na aplicação da política e na gestão dos recursos disponibilizados.

A criação do fundo tem como objetivo apoiar os jovens que queiram fazer formação mas carecem de recursos, bem como financiar microprojectos de jovens com formação profissional ou ensino técnico.

Trata-se da resposta do Executivo à demanda de formação profissional, garantindo assim que todos aqueles que precisam de formação para o emprego tenham esta possibilidade, mesmo quando as famílias carecem de recursos para tal.

Os apoios a serem concedidos pelo fundo irão traduzir-se em financiamentos, totais ou parciais, a programas, projetos e ações de formação profissional inicial, bem como em iniciativas públicas e privadas, de capacitação profissional de jovens e de adultos.

O fundo vai apoiar também programas e projetos de reforço da capacidade formativa, pedidos individuais de bolsas de estudo reembolsáveis ou a fundo perdido para formações, projetos de formação e de qualificação de pessoas com deficiência, entre outros.

Segundo o primeiro-ministro cabo-verdiano, que presidiu à apresentação do projeto, o FPEF "é também fundamental para apoiar os Centros de Formação e as pessoas coletivas que queiram desenvolver ações de formação em Cabo Verde".

José Maria Neves considera que o fundo vai ser  “fundamental para conseguirmos construir um país competitivo e moderno”, numa altura em que o Governo está a trabalhar no sentido de “criar mais dinâmica de crescimento e  mais emprego no país".

O objetivo do Governo, precisou, é dinamizar um conjunto de setores, nomeadamente as energias renováveis, o agro-negócio, as economias criativas, o cluster do mar, visando o crescimento da economia cabo-verdiana.

"Queremos criar dinâmicas de crescimento e maior número de empregos possível em Cabo Verde", explicou.

O primeiro-ministro cabo-verdiano indicou que o Governo está a apostar num "setor privado competitivo e forte capaz de gerar empregos e dinâmicas de crescimento" para o desenvolvimento do arquipélago.

-0- PANA CS/TON 30julho2013




30 Julho 2013 15:40:15


xhtml CSS