Cabo Verde considera novos projetos imobiliários sinais de retoma de investimento

Praia, Cabo Verde (PANA) - O Governo cabo-verdiano considera que o arranque de novos projetos de imobiliária turística na ilha do Sal constituem sinais de retoma do investimento externo no arquipélago, muito afetado pela crise financeira internacional iniciada em 2008.

Na sexta-feira, o primeiro-ministro José Maria Neves lançou a primeira pedra para a construção da primeira unidade hoteleira da cadeia mundial Hilton, num investimento de 47 milhões de euros.

Trata-se, para o chefe do Governo cabo-verdiano, de um investimento importante não só para a ilha onde está implantado como também para Cabo Verde em geral, uma vez que o empreendimento vai trazer um "alto valor acrescentado” ao turismo cabo-verdiano.

As obras para a construção do Hotel Hilton do Sal deviam arrancar em 2009 mas a crise financeira internacional levou ao adiamento deste projeto que agora irá ser concluído em  21 meses, devendo criar cerca de 190 empregos diretos e aumentar a capacidade de acolhimento numa das ilhas com maior vocação turística do arquipélago.

"Espero que esta obra, que é um grande marco para o desenvolvimento do turismo cabo-verdiano, possa ter o maior sucesso no país”, disse José Maria Neves, sublinhando a qualidade que a marca Hilton, “patenteada no mundo inteiro", irá trazer ao turismo do arquipélago.

Ainda na ilha do Sal, o chefe do Governo cabo-verdiano visitou as obras do Complexo Educativo de Santa Maria, um projeto financiado pela Cooperação Chinesa, no montante de 15 milhões de dólares americanos.

A infraestrutura alberga uma Escola Secundária e um centro de formação técnico profissionalizante virado, sobretudo, para a área do turismo.

Na segunda-feira, o primeiro-ministro vai proceder ao lançamento do Projeto Dunas Beach Resort, o primeiro empreendimento turístico do tipo em Cabo Verde, que vai permitir criar 700 novos postos de trabalho permanentes.

Este empreendimento turístico do Grupo Dunas Beach Resort é composto por mil e 100 quartos, com uma capacidade hoteleira de mais de dois mil e 500 hóspedes.

O grupo promotor do empreendimento vai aproveitar a ocasião para lançar, oficialmente, a sua Fundação de Solidariedade Social, com a finalidade de promover e financiar obras e atividades de cariz social e comunitário, incluindo o apoio a crianças e famílias carenciadas.

O Governo considera que os sinais de retoma de investimento externo são encorajadores para um setor eleito como sendo “estratégico e alavanca para o desenvolvimento de Cabo Verde”.

O arquipélago já recebe cerca de 600 mil turistas por ano, o  que, segundo o chefe do Executivo, traduz a dinâmica económica do setor que já contribuiu para um quarto do Produto Interno Bruto  (PIB) de Cabo Verde.

"Falamos de um turismo de qualidade e de alto valor acrescentado”, sublinha José Maria Neves, acrescentando que o país  já está a estruturar o “Cluster do turismo”.

-0- PANA CS/IZ 08junho2014

08 Junho 2014 22:51:05


xhtml CSS