CEDEAO preconiza calendário claro para Governo federal

Accra- Gana (PANA) -- O presidente da Comissão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Mohammed Ibn Chambas, disse ser necessário fixar "um calendário claro" para a criação dum Governo de união para África, único ponto da agenda da Nona cimeira da União Africana (UA) a decorrer em Accra, no Gana.
Intervindo na controvérsia sobre quando se devia dirigir progressivamente para o Governo federal ou se seria necessário um calendário para a sua criação, Ibn Chambas disse que uma ausência de calendário provocaria debates sem fim e que se pôr ao lado dos "partidários dum processo gradual" significaria embarcar numa viagem sem destino.
Saudou a decisão da Cimeira da UA organizada em Janeiro passado em Addis Abeba (Etiópia) de fazer o debate sobre o Governo de união o único ponto do encontro de Accra, declarando que "o momento é oportuno para esta discussão séria a nível dos chefes de Estado sobre a via a seguir para realizar esta ideia, que é a aspiração dos povos africanos há anos".
"Acho que, finalmente, os Africanos terão a coragem de criar uma situação que poderá permitir-nos atingir este objectivo", declarou o presidente da Comissão da CEDEAO.
Ibn Chambas disse que, apesar dos objectivos louváveis fixados pelos dirigentes africanos para o continente, "conseguimos criar as instituições as estruturas que vão ajudar-nos a atingir estes objectivos".
"Doravante este debate é feito pelos nossos chefes de Estado, mas posso assegurar-vos que isto retém a atenção de todos os povos africanos que consideram igualmente que o seu destino está ligado à decisão deste debate", sustentou.
Insistindo na necessidade duma integração política e económica total de África, Mohamed Ibn Chambas, explicou que tentando ficar sozinho enquanto entidades separadas os países africanos serão incapazes de fazer face à dura concorrência da mundialização.
"A nossa força residirá na nossa capacidade de integração e de ultrapassar os diversos obstáculos, cujo mínimo não está ao nível anormalmente elevado da pobreza neste continente.
Por conseguinte, do ponto de vista da CEDEAO, pensamos que esta discussão veio em boa hora", disse.
"Cremos que é completamente oportuno falar do reforço das capacidades da UA, dando-lhe os meios, os recursos de realizar a sua missão que é, entre outros, ser uma agência de coordenação eficaz das Comunidades Económicas Regionais", acrescentou.
O secretário executivo da CEDEAO exprimiu o desejo que o debate termine "numa perspectiva muito clara sobre a maneira como África vai realizar o reforço das instituições necessárias à integração do continente, para que brevemente possamos atingir o nosso objectivo dum Governo de união".

03 Julho 2007 11:34:00




xhtml CSS