CEDEAO mantém-se a CER mais dinâmica em África apesar de Ébola, diz seu responsável

Abuja, Nigéria (PANA) - Apesar de ter sido duramente atingida pela doença do vírus do Ébola (EVD), a CEDEAO continua a ser a Comunidade Económica Regional (CER) mais dinâmica em África, com uma taxa de crescimento previsto de 6,3 porcento em 2014, de acordo com o presidente da Comissão desta organização comunitária, Kadré Désiré  Ouedraogo.

Numa comunicação ao Conselho de Ministros da CEDEAO, que acaba de terminar  uma reunião na capital nigeriana, Abuja, o presidente da Comissão da CEDEAO revelou que a  Côte d'Ivoire espera registar a taxa de crescimento mais elevada  da região com 9,1 porcento.

Ele declarou que quatro outros países também esperam registar taxas semelhantes ou ultrapassar a taxa média de crescimento regional estimada em 6,3 porcento, designadamente,  a Gâmbia (7,5%), o Gana (6,9%), o  Mali (6,5%) e o Níger (6,3%).

As principais fontes de crescimento são a forte procura de matérias-primas na região, uma boa produção agrícola e o aumento das despesas de infraestrutura pública'', declarou  o presidente Ouedraogo.

Os três países mais afetados pelo  EVD, que já matou mais de seis mil pessoas, não fazem parte das projeções de crescimento económico dado que a doença atingiu as suas economias de maneira muito dura.

De acordo com o presidente da Comissão, as perspetivas de crescimento para a Guiné-Conakry, a Libéria e a Serra Leoa foram revistas em baixa de 4,5 para 0,5 porcento na Guiné; de 5,9 para 2,2 porcento na Libéria, e de 11,1 para 4,0 porcento na  Serra Leoa.

Os setores mais atingidos pela  epidemia  são a  saúde, a agricultura, a exploração
mineira, os serviços e a  educação, precisou Désiré  Ouedraogo em declarações à PANA.

Falando também sobre a situação económica na sub-região, a presidente do Conselho, Hannah Tetteh Serwaa, declarou  que o crescimento  real do PIB (Produto Interno Bruto) deverá  atingir 7,1 porcento em 2015, contra 6,3 porcento em 2014, apesar da epidemia EVD.

Estes índices se comparam favoravelmente com os das regiões da África Austral e Oriental cujas  taxas de crescimento em 2015 estão estimadas em  6,2 e 4,4 porcento, respetivamente, indicou Tetteh na 73ª sessão do Conselho.

Ela declarou no entanto que as projeções de crescimento do PIB  real para 2014 diminuíram ou se fixaram em 2,4 porcento (Guiné-Conakry), 4,5 porcento (Libéria) e 7,1 porcento (Serra Leoa), contra 2,5 porcento (Guiné), 8,1 porcento (Libéria) e 13 porcento (Serra Leoa), em 2013.

''Esta perceção baseia-se na esperança de que a epidemia venha a ser contida no final de dezembro de 2014'', declarou Tetteh.

-0- PANA SEG/VAO/MTA/DIM/IZ 12dez2014

12 Dezembro 2014 19:01:18




xhtml CSS