CEDEAO julga 2ª volta de eleições legislativas no Mali livre e transparente

Bamako, Mali (PANA) – Apesar da fraca taxa de participação, a segunda volta das eleições legislativas no Mali realizou-se domingo em “condições aceitáveis de liberdade e transparência”, declarou a Missão de Observação das Eleições da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (EOM) nas suas observações preliminares.

« Ao se basear nas observações e nos relatórios recebidos até agora dos observadores da CEDEAO no local, a EOM conclui que os incidentes constatados nem por isso baixaram o nível  das eleições abaixo das normas internacionalmente reconhecidas », lê-se numa declaração  transmitida à PANA pela Comissão da CEDEAO em Bamako.

A atmosfera no dia do escrutínio, particularmente o processo de votação e o comportamento dos agentes eleitorais, demonstraram que as melhores práticas e os melhoramentos foram mantidos,  comparativamente à primeira volta.

Mas a missão nota que o problema da fraca participação dos eleitores persistiu devido a uma combinação de fatores. tais como a apatia dos eleitores, um número elevado de novos eleitores privados do direito de voto e preocupações em termos de segurança nas províncias do norte do país.

A EOM reitera, no entanto, a sua recomendação para uma Reforma Eleitoral destinada a eliminar a possibilidade duma segunda volta do escrutínio nas eleições legislativas, devido aos seus encargos em termos financeiros.

Exorta os partidos políticos, as coligações e os candidatos a fazerem com que os seus candidatos e os seus partidários respeitem estritamente as regras e os procedimentos eleitorais e a legalidade, recorram unicamente a meios legais para fazer reclamações por qualquer queixa resultante da organização das eleições.

Para a EOM, face à conclusão iminente do processo eleitoral, a comunidade internacional deve respeitar o seu compromisso de disponibilizar recursos e dispositivos para apoiar os esforços pós-conflito de reconstrução e preservar a paz de que o Mali precisa tanto a fim de consolidar a sua estabilidade e a recuperação do país.

A segunda volta foi organizada domingo último depois de apenas 20 dos 147 candidatos terem sido eleitos deputados na Assembleia Nacional durante a primeira volta organizada a 24 de novembro último.

O chefe dos observadores da CEDEAO, Amos Sawyer, liderou uma delegação de 50 membros para supervisionar este escrutínio que se segue ao presidencial de julho e agosto últimos  neste país da África Ocidental que está a recuperar duma grande crise política.

-0- PANA SEG/NFB/JSG/FK/DD 17dez2013

17 Dezembro 2013 11:58:50




xhtml CSS