CEDEAO exige respeito de livre circulação de pessoas e bens no espaço

Niamey, Níger (PANA) - O presidente do Parlamento da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Moustapha Cissé, denunciou "as práticas malsãs" contrárias aos acordos da CEDEAO sobre a livre criculação de pessoas e bens nas fronteiras do espaço regional.

"É tempo de aqueles que estão encarregados da nossa segurança respeitarem as disposições regulamentares do protocolo e os atos adicionais sobre a livre circulação das pessoas e  bens", defendeu sexta-feira numa conferência de imprensa no termo duma missão de trabalho no Níger.

Durante a sua estada no Níger, Moustapha Cissé efetuou visitas aos postos de controlo da Polícia e das Alfândegas das fronteiras entre o Níger, o Burkina Faso e o Benin.

Chegada segunda-feira ao Níger, a delegação do Parlamento da CEDEAO, liderada por Moustapha Cissé Lo, atual vice-presidente da Assembleia Nacional do Senegal, efetuou terça-feira uma missão de campo nos postos de controlo fronteiriços do Burkina Faso e do Níger.

Esta missão composta por deputados do Níger, do Burkina Faso, do Togo, do Senegal e da Nigéria visou, por um lado avaliar no terreno a aplicação do protocolo da CEDEAO sobre livre circulação de pessoas e bens no espaço comunitário e, por outro, informar e sensibilizar as forças de segurança a algumas práticas "pouco ortodoxas" pelas quais são responsáveis.

A CEDEAO foi criada em 1975 com o objetivo de promover a integração socioeconómica e cultural dos Estados-membros que são o Benin, o Burkina Faso, a Côte d'Ivoire, o Togo, o Gana, a Gâmbia, a Guiné-Bissau, a Guiné-Conakry, o Mali, o Níger, a Nigéria, a Libéria, a Serra Leoa, o Senegal e Cabo Verde.

-0- PANA SA/BEH/SOC/MAR/IZ 24dez2017

24 ديسمبر 2017 18:07:45




xhtml CSS