CEDEAO deplora uso de violência por soldados ivoirienses como modo de reivindicação

Ouagadougou, Burkina Faso (PANA) - O presidente da Comissão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Alain Marcel De Souza, declarou estar a acompanhar com preocupação a retomada de motim nas casernas militares da Côte d'Ivoire desde quinta-feira passada.

Num comunicado da instituição distribuído na capital burkinabe, Ouagadougou, esta retomada é muito preocupante na medida em que acontece no rescaldo duma reunião entre uma delegação dos amotinados e o chefe de Estado (Alassane Dramane Ouattara) realizada a 10 de maio corrente.

Naquela ocasião, Ouattara exprimiu-lhes a sua tristeza e apresentou desculpas, pedindo-lhes no entanto renunciassem definitivamente aos prémios reclamados durante o movimento de 10 de janeiro de 2017 e cujo pagamento já tinha começado.

"A reunião foi marcada pelo anúncio, pelo Presidente da República, de novas medidas tomadas para melhorar as condições de vida e de trabalho dos soldados, no quadro da aplicação da lei de programação militar", sublinha o texto.

O presidente da Comissão da CEDEAO deplora o uso da violência como modo reivindicativo e de resolução dos conflitos sociais e lança um apelo aos soldados descontentes para que recorram exclusivamente às vias pacíficas abertas pelas mais altas autoridades do país a fim de verem satisfeitas as suas reclamações.

Encoraja também as autoridades ivoirienses a manterem a sua vontade de encontrar soluções aos problemas que estão na origem do descontentamento dos soldados para preservarem as conquistas da reconstrução pós-conflito, bem como o clima de paz prevalecente no país e na sub-região.

-0- PANA NDT/IS/MAR/DD 16maio2017

16 Maio 2017 10:53:01




xhtml CSS