Brasil desdobra sua influência industrial em África

Sirtes- Líbia (PANA) -- O Brasil, uma das economias latino-americanas em expansão, projecta desdobrar a sua influência industrial crescente em África com projectos que incluem indústrias que vão produzir o etanol em unidades de montagem de veículos (em Moçambique) e uma empresa de fabrico de medicamentos em África.
O Presidente brasileiro, Lula Da Silva, convidado de honra da Cimeira da UA deste ano, declarou que o seu país está pronto para assumir compromissos com os líderes africanos em projectos destinados a estimular a produção alimentar, e já está ao ponto de aplicar as suas próprias versões de "revolução verde brasileira" na África Ocidental, incluindo no Gana, que beneficiou deste programa.
"O Brasil compromete-se a ajudar África e a promover uma revolução verde.
Temos no Gana um projecto similar destinado a criar a Savana Africana tais como as que criámos no Brasil", disse o Presidente brasileiro aos líderes africanos.
O Brasil está a investir em unidades de produção de etanol na África Ocidental e numa parte da África Setentrional, num esforço visando alargar os sonhos de industrialização de África.
O Estado sul-americano lança actualmente projectos pilotos no Burkina Faso, no Mali e no Tchad.
O Brasil trabalha para a assinatura de vários acordos específicos com países africanos para a execução de projectos destinados a melhorar a agricultura, a saúde e o ambiente em África.
O Presidente Da Silva declarou que o Brasil investirá no sector do açúcar em África e identificou alguns países, dos quais Moçambique, onde ele prevê investir numa unidade de montagem de veículos.
Ele afirmou que planos estão curso para a instalação duma unidade piloto de etanol para explorar a energia em África e aumentar a produção de álcool no continente.
"Estes projectos foram identificados no Mali, no Burkina Faso e no Tchad", disse o Presidente brasileiro, acrescentando que "vamos alargar esta iniciativa a todos os países africanos depois de assinados vários acordos sobre alguns destes sectores".
Os líderes africanos reunidos na cidade líbia de Sirtes, a 600 quilómetros da capital líbia, Tripoli, estão prontos para iniciar o debate sobre a agricultura e os seus efeitos na revolução económica africana.
O Presidente Lula da Silva declarou que o seu país, à semelhança de vários países africanos, faz ainda face aos desafios ligados à pobreza e à insegurança alimentar mas que está pronto para trocar ideias com os líderes africanos sobre como enfrentar alguns destes desafios.
O Brasil está igualmente a construir uma unidade industrial em Moçambique onde ele pretende iniciar uma produção em grande escala de medicamentos antiretrovirais utilizados para prolongar a vida das pessoas afectadas pelo HIV/Sida.

01 Julho 2009 21:47:00




xhtml CSS